Piada de brasileiro: para além da representação regional

Ana Cristina Carmelino

Resumo


O objetivo deste artigo é constatar a existência de piada de brasileiro, tal como ocorre com o turco, o português, o francês, o argentino e outras nacionalidades. Pretende-se mostrar que a população do país é representada com traços que evidenciam certos aspectos socioculturais que ultrapassam a representação regional. Para isso, analisamos piadas que envolvem o brasileiro e que circulam no país, em particular em meios impressos e virtuais. Os pressupostos teóricos adotados para fundamentar o estudo advêm da Análise do Discurso, especialmente a partir de considerações sobre o conceito de estereótipo e do gênero piada.

 


Palavras-chave


Piada; Brasileiro; Estereótipo

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R.; HERSCHEBERG-PIERROT, A. Estereotipos y clichés. Buenos Aires: Eudeba, 2001.

ATTARDO, A; RASKIN, V. Script theory revis(it)ed: joke similarity and joke representacion model. Humor – International Journal of Humor Research, Berlin/New York, v. 7-1. p. 27-54, 1994.

AVIZ, L. As melhores piadas que circulam na internet e as que ainda vão circular. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 33.

AVIZ, L. As melhores piadas que circulam na internet: versão 2.0. Rio de Janeiro: Record, 2006. p. 51.

BAKHTIN, M. M. Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 261-306.

CARVALHO, L. G. M. Estereótipo e identidade em piadas sobre o mineiro: uma perspectiva da análise do discurso. 2011. 82f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Vale do Rio Verde de Três Corações, Três Corações.

ClickGratis. Disponível em: < http://www.clickgratis.com.br/piadas/nacionalidades/brasileiros/empreiteiros.html#ixzz2RqlIH3cu >. Acesso em: 12 out. 2014.

CONDE, G. Piadas regionais: o caso dos gaúchos. 2005. 232f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

Conta Outra. Disponível em: < http://www.contaoutra.com.br/mostrapiada.asp?id_piada=1939 >. Acesso em: 20 out. 2014.

FREUD, S. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Edição Standard Brasileira das Obras Completas/ Sigmund Freud, v. III. Rio de Janeiro: Imago, 1996 (Edição original 1905).

GIL, C. M. C. A linguagem da surpresa: uma proposta para o estudo da piada. São Paulo: 1991. 220 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas e Vernáculas) – Faculdade de Filosofi a, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Humor Paulista. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

MUNIZ, K. S. Piadas: conceituação, constituição e práticas – um estudo do gênero. 2004. 149f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

Os Vigaristas. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

PARISSI, J. C. Argentinismos. In: PARISSI, J. C. Los mejores chistes 2. Buenos Aires: El Ateneo, 2008. p. 210.

Piadas de Alentejanos. Disponível em: < http://piadasalentejanos.blogs.sapo.pt/http >. Acesso em: 10 out. 2014.

PIADAS DE A A Z, s/d, p. 286.

PIADAS ENGRAÇADAS. Ano I, n. 3. São Paulo: Escala, s/d, p. 85.

PIMENTEL, L. Piadas de sacanear baiano. Rio de Janeiro: Myrrha, 2009. p. 29.

POSSENTI, S. Os humores da língua: análises linguísticas de piadas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

POSSENTI, S. Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto, 2010.

RASKIN, V. Semantic mechanisms of humor. Holland: D. Reidel Publishing Company, 1985.

SOUZA, A. L. Estereótipos em piadas sobre baiano. 2013. 104f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo.

TRAVAGLIA, L. C. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Estudos Linguísticos e Literários, v. 5-6, p. 42-79, 1989.

Ze Bisteca. Disponível em: < http://www.zebisteca.com.br/1763/piadas/regionais/navios-grandes >. Acesso em: 12 out. 2014.

lindomenino. Disponível em: < http://1lindomenino.blogspot.com.br/2009_07_26_archive.html >. Acesso em: 10 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)