Uma abordagem para o estudo da relação entre as noções de gêneros e tipos do discurso

Gustavo Ximenes Cunha

Resumo


Subjaz a este trabalho a hipótese de que as noções de gênero do discurso e de tipo de discurso são de tal forma imbricadas que cada gênero possui tipos específicos. De acordo com essa hipótese, os tipos não são universais e atemporais, como defendem abordagens contemporâneas do texto e do discurso, mas são tão sócio-historicamente determinados quanto os gêneros, de cuja composição participam. Com base nessa hipótese, esta pesquisa tem o objetivo geral de investigar como se caracteriza o tipo narrativo específico do gênero reportagem e como esse tipo se atualiza na construção de sequências narrativas extraídas de exemplares desse gênero.


Palavras-chave


gênero do discurso; tipo de discurso; tipo narrativo

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, J. M. Les textes: types et prototypes. Paris: Nathan, 1992.

ADAM, J. M. Linguistique textuelle: des genres de discours aux textes. Paris: Nathan, 1999.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: Educ, 2007.

CHARAUDEAU, P. Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual. In: MACHADO, I. L.; MELLO, R. (Org.) Gêneros: refl exões em Análise do Discurso. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso/Faculdade de Letras/UFMG, 2004. p. 13-41.

CHARAUDEAU, P. Discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

CUNHA, G. X. O impacto do contexto na construção da narrativa em uma reportagem do jornalismo político. In: NETO, F. K.; RUFINO, J. A.; BAPTISTA, M. R. (Org.) Espaços, sujeitos e sociedade: diálogos. Barbacena: EdUEMG, 2009. p. 81-95.

CUNHA, G. X. A construção da narrativa em reportagens. 601f. Tese (Doutorado em Linguística) –Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

CUNHA, G. X. Para entender o funcionamento do discurso: uma abordagem modular da complexidade discursiva. Curitiba: Appris, 2014.

FILLIETTAZ, L. Une approche modulaire de l’hétérogénéité compositionnelle du discours: le cas des récits oraux. Cahiers de linguistique française, v. 21, p. 261-327, 1999.

FILLIETTAZ, L. Actions, activités et discours. 403f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Genebra, Genebra, 2000.

FILLIETTAZ, L. La place du contexte dans une approche praxéologique Du discours. Le cas de l’argumentation dans les interactions scolaires. Pratiques, n. 129-130, p. 71-88, 2006.

GOFFMAN, E. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012[1986].

HERNANDES, N. A mídia e seus truques: o que jornal, revista, TV, rádio e internet fazem para captar e manter a atenção do público. São Paulo: Contexto, 2006.

LABOV, W. The transformation of experience in narrative sintax. In: LABOV, W. Language in the inner city: studies in the black english vernacular. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972.

MARCUSCHI, L. A. A questão do suporte dos gêneros textuais. Língua, linguística e literatura. v. 1. n. 1, p. 9-40, 2003.

ROJO, R. Gêneros do discurso e gêneros textuais: questões teóricas e aplicadas. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (Org.). Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola, 2005. p. 184-207.

ROULET, E.; FILLIETTAZ, L.; GROBET, A. Un modèle et un instrument d’analyse de l’organisation du discours. Berne: Lang, 2001.

SCHNEUWLY, B. Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: SCHNEUWLY, B. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 19-34.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)