A suave voz do sexo: uma análise dos discursos sobre a sexualidade no jornal feminista Mulherio e na grande mídia

Juliane de Araujo Gonzaga, Vanice Sargentini

Resumo


Neste artigo, propomos analisar discursivamente matéria publicada pelo jornal feminista Mulherio (CORRÊA, 1981), que questiona como a revista Capricho legitima padrões de normalidade e anormalidade para as formas do órgão sexual feminino. Nossos objetivos são descrever as regras de formação dos discursos, analisar os efeitos de sentido resultantes das posições-sujeito nesses veículos, e interpretar os processos de constituição do sujeito na linguagem por viés histórico. O aparato-teórico que conduzirá este trabalho é o da Análise do Discurso francesa, mais especifi camente, alguns pressupostos de M. Foucault e J.-J. Courtine, cuja metodologia de análise parte das condições históricas de emergência dos enunciados para descrever as regras de formação dos discursos e as possíveis posições do sujeito.


Palavras-chave


discurso; sexualidade; feminismo

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, J. Dizer ao outro no já-dito: interferências de alteridades – interlocutiva e interdiscursiva – coração do dizer. Tradução de Leci Borges Babisan. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 46, n. 1, p. 6-20, jan./mar. 2011.

CORRÊA, M. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 13-30, 2001.

CORRÊA, M. Em contraponto, “Capricho” e “Mulherio”. Mulherio, São Paulo, v. 1, p. 14, 1981.

COSTA, A. A. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Labrys Estudos Feministas, Brasília, jan./jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2013.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos, EDUFSCar, 2009. 250 p.

FERNANDES, C. Discurso e produção de subjetividade em Michel Foucault. Laboratório de estudos discursivos, Uberlândia, ano 2, n. 1, p. 1-19, 2011.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 [1969]. 254 p.

FOUCAULT, M. Os anormais. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 479 p.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura F. A. Sampaio. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996. 74 p.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. (Org.) Michel Foucault, uma trajetória fi losófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 1995. p. 231-250.

GARCIA, M. R. V. As revistas para adolescentes. In: GARCIA, M. R. V. Virgindade e iniciação sexual entre as adolescentes brasileiras. São Paulo: Arte & Ciências, 2004. Cap. 6, p. 133-138.

GONZAGA, J. A. A suave voz do sexo: as mutações no discurso da sexualidade no jornal Mulherio (1981-1988). 2014. 206 f. Dissertação. (Mestrado em Linguística. Área de concentração: Linguagem e Discurso) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos.

GREGOLIN, M. R. Análise do discurso e mídia: a (re)produção de identidades. Revista Comunicação, Mídia e Consumo da ESPM, São Paulo, v. 4, n. 11, p. 11-25, 2007.

LEITE, R. S. C. Brasil Mulher e Nós Mulheres: origens da Imprensa Feminista Brasileira. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 234-241, jan./jun. 2003.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2008.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas: Pontes, 2006.

PINTO, C. R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2003. 119 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)