A fronteira e as línguas atravessadas nos relatos de viagens

Marilene Aparecida Lemos

Resumo


Este trabalho propõe mostrar o andamento de minha pesquisa de doutorado, iniciada em 2014, no IEL⁄Unicamp, cujo título provisório é: Barracão-PR, Dionísio Cerqueira-SC (Brasil); Bernardo de Irigoyen (Misiones-Argentina): fronteiras, línguas e história. Assim, pretendo trazer à discussão um dos objetivos do projeto de pesquisa, o qual visa a analisar traços de memória das línguas dos imigrantes e de outras línguas que constituíam esse espaço de fronteira quando da demarcação dos limites, na(s) línguas(s) enunciada(s) cotidianamente nesse “espaço fronteiriço” (STURZA, 2006). Tal pesquisa busca sua originalidade ao propor preencher uma lacuna no campo dos estudos sobre as fronteiras, no sentido de dar visibilidade ao processo de produção histórica de certas evidências, e aos seus produtos como produtos históricos, e não meramente naturais.

 


Palavras-chave


discurso; fronteiras; língua; história

Texto completo:

PDF

Referências


BERTONI, L. A. Patriotas, cosmopolitas y nacionalistas: la construcción de la nacionalidad argentina a fines del siglo XIX. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2001.

BOITEUX, J. A. Oeste Catharinense (De Florianópolis a Dionisio Cerqueira). Florianópolis: Livraria Central de Alberto Entres & Irmão. In: CEOM (Org.). A viagem de 1929: Oeste de Santa Catarina: documentos e leituras. Chapecó: Argos, 2005.

BRITO, S. H. A. de. Educação e sociedade na Fronteira Oeste do Brasil: Corumbá (1930-1954). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2001.

CENTRO DE MEMÓRIA DO OESTE DE SANTA CATARINA (Org.). A viagem de 1929: Oeste de Santa Catarina: documentos e leituras. Chapecó: Argos, 2005.

CHAGAS, V. Didática especial de línguas modernas. 3. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

COSTA, A. F. da. O Oeste Catharinense: visões e sugestões de um excursionista. Rio de Janeiro: Villas Boas & Cia, 1929. In: CEOM (Org.). A viagem de 1929: Oeste de Santa Catarina: documentos e leituras. Chapecó: Argos, 2005.

COURTINE, J.-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009 [1981].

GREGOLIN, M. R.. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. Texto apresentado no II Seminário de Análise do Discurso (SEAD), na UFRGS, Porto Alegre, 2005.

GREJA, C. B. Carlos Octavio Bunge e José Ingenieros: entre o científi co e o político: pensamento racial e identidade nacional na Argentina (1880-1920). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. 2. ed. Campinas: Pontes, 2005.

HOBSBAWM, E. J. Um mapa da questão nacional. Rio de Janeiro: Contraponto, 2000.

LAGAZZI, S. The social in scene in signifi cant materiality. Acta Scientiarum – language and culture, v. 32, n. 2, p. 153-161, 2010.

MODESTI, T. A educação como um projeto de estado/nação na fronteira oeste catarinense (Chapecó 1930-1945). Cadernos do CEOM, Fronteiras, n. 37, ano 25, p. 39-60, 2012.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 6. ed. Campinas: Pontes, 2005a.

ORLANDI, E. P. O discurso sobre a língua no período Vargas (Estado Novo – 1937/1945). Língua e instrumentos linguísticos, n. 15, p. 27-33, 2005b.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso e contemporaneidade científi ca. In: ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: sujeito, sentido e ideologia. Campinas: Pontes, 2012. p. 37-54.

PAYER, M. O. Memória da língua: imigração e nacionalidade. São Paulo: Escuta, 2006.

PÊCHEUX, M. (1969). Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Textos selecionados: Eni Puccinelli Orlandi. 2. ed. Campinas: Pontes, 2011.

STURZA, E. R. Línguas de fronteiras e política de línguas: uma história das ideias linguísticas. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)