A analogia em Vitrúvio, Sêneca e Quintiliano

Antonio Carlos Silva de Carvalho

Resumo


Este artigo visa a apresentar brevemente o uso que três autores que viveram durante a segunda fase do Período Romano fi zeram do termo analogia em suas respectivas áreas: Marco Vitrúvio Polião (séc. I a.C.), engenheiro e arquiteto romano que deve ter dedicado seu trabalho ao primeiro Augusto (63 a.C. ‒ 14 d.C.), usou uma tradução latina para o termo grego analogia, qual seja, proporção; Lúcio Aneu Sêneca, chamado de Sêneca, o Filósofo (4 a.C. ‒ 65 d.C.), não tendo abordado a analogia sob o ponto de vista gramatical, fez, contudo, comentários interessantes, utilizando-a na filosofia; Marco Fábio Quintiliano (35-95 d.C.), retórico latino que, conquanto não fosse gramático, escreveu sobre o ofício do gramático, e, na controvérsia entre analogistas e anomalistas, apesar de tender para os primeiros, não se posicionou de forma rigorosa (Apoio: Capes ‒ Bolsista PNPD).


Palavras-chave


analogia; sinonímia; léxico; sentido; Quintiliano

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Antônio C. Silva de. “O conceito de analogia sob a ótica de Marco Terêncio Varrão”. In: Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978) v. 42, n. 3, p. 1244-1253, set./-dez. 2013.

CARVALHO, Antônio C. Silva de. O conceito de analogia na obra de diferentes autores do Período Romano. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 43, p. 1332-1341, 2014.

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque – histoire des mots. Nouvelle édition mise à jour. Paris: Klincksieck, 1999., 1449 p.

COUSIN, Jean. Quintilien – institution oratoire. Tome I. Paris: Les Belles Lettres, 1975. (Collection des Universités de France).

D’HAUTERIVE, G. R. Dictionnaire des racines des langues européennes. Paris: Librairie Larousse, 1949., 358 p.

ERNOUT, Alfred; MEILLET, Antoine. Dictionnaire etymologique de la langue latine – histoire des mots. Troisième édition (revue, corrigée et augmentée d’un index). Paris: Librairie C. Klincksieck, 1951.

FARIA, Ernesto. Gramática da língua latina. Revisão de Ruth Junqueira de Faria. 2. ed. rev. e aum. Brasília: FAE, 1995. 424 p.

GREIMAS, Algirdas Julius; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et alii. São Paulo: Editora Cultrix, 1979, 493 p.

GROS, Pierre. Vitruve – de l’architecture. Livre III. Paris: Les Belles Lettres (Collection des Universités de France), 1990, 224 p.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss de sinônimos e antônimos. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva Ltda, 2003. 953 p.

ILARI, Rodolfo; GERALDI, João Wanderley. Semântica. 7. ed. São Paulo: Ática (Série Princípios), 1995, 96 p.

NOBLOT, Henri; PRÉCHAC, François. Sénèque – lettres a Lucilius. Tome V, livres XIX-XX. 2 éme tirage. Paris: Les Belles Lettres (Collection des Universités de France), 1971. 115 p.

ROHDE, Geraldo Mário. Simetria. São Paulo: Hemus Editora Limitada, 1982, 191 p.

SARAIVA, Francisco Rodrigues dos Santos. Novíssimo dicionário latino – português “etimológico, prosódico, histórico, geográfi co, mitológico, biográfi co etc.”. 12. ed. Rio de Janeiro / Belo Horizonte: Livraria Garnier, 2006, 1298 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)