Uma mulher à beira de um ataque de nervos: artifícios retóricos na construção de um tipo risível

Luana Ferraz

Resumo


Neste trabalho, buscamos observar como os diferentes expedientes retóricos são articulados na construção da imagem da oradora do quadro “A encalhada”, um dos nove esquetes que compõem a comédia Cócegas (2004), escrita e interpretada por Heloísa Périssé e Ingrid Guimarães. Para tanto, baseamo-nos prioritariamente nos pressupostos teóricos da Retórica Antiga (ARISTÓTELES, 2005), da Nova Retórica (PERELMAN; OLBRECHTS-TYTECA, 1996; MEYER, 2007) e da Análise do Discurso (MAINGUENEAU, 2008). Após a análise dos componentes verbais e não verbais do esquete, constatamos que a recorrência de algumas técnicas no plano da expressão, como o disfemismo, a repetição e a alusão, contribui para a constituição do caráter risível da protagonista em “A encalhada”.


Palavras-chave


retórica; ethos; humor; esquete

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: AMOSSY, R. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. Tradução de Dílson Ferreira da Cruz, Fabiana Komesu e Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005a, p. 9-28.

AMOSSY, R. O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In: AMOSSY, R. Imagens de si no discurso: a construção do ethos. Tradução de Dílson Ferreira da Cruz, Fabiana Komesu e Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005b, p. 119-144.

ARISTÓTELES. Retórica. Tradução de Manuel Alexandre Júnior. Lisboa: Imprensa Nacional, Casa da Moeda, 2005. 317 p.

ARISTÓTELES. Arte Poética. Tradução de Pietro Nasseti. São Paulo: Martin Claret, 2007. 150 p.

BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a signifi cação do cômico. Tradução de Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1983. 105 p.

BOLLELA, M. F. F. P. A prosódia como instrumento de persuasão. In: NASCIMENTO, E. M. F. S.; OLIVEIRA, M. R. M.; LOUZADA, M. S. O. (Org.) Processos enunciativos em diferentes linguagens. Franca, SP: Editora da UNIFRAN, 2006, p. 113-128.

CAMPOS, E. B. V. A primeira concepção freudiana de angústia: uma revisão crítica. Ágora: estudos em teoria psicanalítica, v. 7, n. 1, p. 87-107, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

CICERÓN. Sobre el orador. Tradução de José Javier Iso. Madrid: Editorial Gredos, 2002. 509 p.

CÓCEGAS. Direção: Aloísio de Abreu, Luiz Carlos Tourinho, Marcelo Saback, Régis Faria e Sura Berditchevsky. Produção: André Mattos e Fran Fillon. Guarulhos, SP: EMI, 2004. 1 DVD.

CONLEY, T. Toward a rhetoric of insult. Chicago, USA: The University of Chicago Press, 2010. 132 p.

CRUZ, D. F. A retórica de “Tapiiraiauara” ou considerações para uma análise tensiva da alusão. Estudos Semióticos, n. 2, São Paulo, 2006. Disponível em: . Acesso em 13 jun. 2014.

DUBOIS, J. et al. Retórica geral. Tradução de Carlos Felipe Moisés, Duílio Colombini e Elenir de Barros. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1974. 277 p.

EGGS, E. Ethos aristotélico, convicção e pragmática moderna. In: EGGS, E. Imagens de si no discurso: a construção do ethos. Tradução de Dílson Ferreira da Cruz, Fabiana Komesu e Sírio Possenti. São Paulo: Contexto, 2005, p. 29-56.

FERREIRA, L. A. Leitura e persuasão: princípios de análise retórica. São Paulo: Contexto, 2010. 171 p.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (orgs.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008. p. 11-29.

MEYER, M. A retórica. Tradução de Marly N. Peres. São Paulo: Ática, 2007. 128 p.

MOZDZENSKI, L. P. O ethos e o pathos em videoclipes femininos: construindo identidades, encenando emoções. 2012. 371 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OLBRECHTS-TYTECA, L. Le comique du discours. Bruxelles, Belgique: Editions de l’Université de Bruxelles, 1974. 425 p.

OLIVEIRA, V. Do direito de mandar tomar no cu. Blog do Praxedes, 14 jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2014.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani [et. al.]. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997, p. 61-161.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996. 653 p.

PÉREZ, J. C. D. Pragmalinguística del disfemismo y la descortesía: los actos de habla hostiles en los medios de comunicación virtual. 2012. 517 f. Tese (Doutorado em Humanidades) – Departamento de Humanidades: Filosofi a, Linguagem e Literatura, Universidade Carlos III deMadrid, Madrid, Espanha.

PRETI, D. A linguagem proibida: um estudo sobre a linguagem erótica. São Paulo: T. A. Queiroz, 1984. 280 p.

PROPP, V. Comicidade e riso. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Ática, 1992. 215 p.

QUINTILIANO, M. F. Instituições oratórias: Tomo I. Tradução de Jeronymo Soares Barboza. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1836. 371 p.

ROUBINE, J-J. A arte do ator. Tradução de Yan Michalski. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990. 98 p.

SEDEU, N. G. G. Neurose obsessiva: tabu do contato x pulsão de morte. Estudos de Psicanálise, n. 36, p. 121-134, 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2014.

TRAVAGLIA, L. C. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Leitura: Estudos linguísticos e literários, Maceió, n. 5-6, p. 42-79, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)