A Expressão da Morte em “Ligeia” e em “Véra”

Lígia Maria Pereira de Pádua Xavier

Resumo


A fuga da realidade provocada pelo entorpecimento da consciência diante da morte é o que move os contos “Ligeia” (1838), de Edgar Allan Poe, e “Véra” (1876), de Villiers de l’ Isle-Adam, obras-primas do conto poético de gênero fantástico. Esse movimento de fuga está diretamente associado ao seu temor. O “fin de siècle” vem selar a consciência da impotência humana perante a morte, levando assim a sociedade a um estado niilista de morbidez coletiva. Esse desespero fora expresso, em termos literários, pelo apelo ao sobrenatural, com o florescimento do gênero fantástico, e posteriormente pela estética simbolista e decadentista. Nas narrativas em questão, a morte é o centro gravitacional e todos os seus elementos são por ela configurados e sua presença obsessiva se dá por meio da presença obsessiva dos mortos, reivindicada pelo fenômeno da duplicidade.

Palavras-chave


Edgar Allan Poe; Villiers de l’Isle-Adam; Duplo; Simbolismo/Decadentismo.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)