Gilles Deleuze-Carmelo Bene: uma leitura linguística gramsciana

Yuri Brunello

Resumo


O “teatro da ausência” pertence à última fase do teatro de Carmelo Bene. No ensaio que Deleuze dedica a Bene ele evoca uma dimensão artística definida como “menor”. Ilustrando as suas noções de “língua maior” e “língua menor”, Deleuze explica que o uso menor de uma língua consiste no descarrilamento das constantes, na transformação das homogeneidades estruturais em heterogeneidades, na desconstrução daquele uso que trata a língua como um estado de poder. A distinção efetuada por Gramsci nos Cadernos do cárcere entre gramática “normativa” e gramática “espontânea” pode ajudar no esclarecimento de alguns pontos da interpretação deleuziana.


Palavras-chave


linguagem; poder; teatro.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)