O padrão entoacional das sentenças interrogativas do português brasileiro em fala manipulada

Carolina Carbonari Rosignoli, Flaviane Romani Fernandes-Svartman

Resumo


O presente artigo pretende investigar padrões entoacionais em enunciados interrogativos globais do dialeto paulista do português brasileiro, de modo a observar diferenças e semelhanças prosódicas que definam os diferentes tipos frásicos de enunciados interrogativos globais. Este trabalho é fundamentado pela teoria da Fonologia Entoacional (PIERREHUMBERT, 1980; PIERREHUMBERT; BECKMAN, 1988; LADD, 1996, 2008; JUN, 2005), segundo a qual, levando-se em conta um conjunto de características suprassegmentais das sentenças, é possível interpretar significados pragmáticos de uma maneira linguisticamente organizada. A partir de um corpus inédito e em acréscimo às pesquisas de Frota et al. (2015) e Moraes (2008), os resultados da presente pesquisa revelam que variações dos contornos nuclear e total são distintivas na configuração prosódica de cada tipo frásico.

Palavras-chave


português brasileiro; prosódia; sentenças interrogativas globais

Texto completo:

PDF

Referências


BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: Doing Phonetics by Computer [Computer program]. Version 5.3. 82. 2014. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2015.

CRUZ, M.; FROTA, S. Prosódia dos tipos frásicos em variedades do Português Europeu: produção e percepção. Textos Seleccionados, XXVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, Lisboa, APL, 2011, p. 208-225.

FERNANDES, F. R. Tonal association in neutral and subject-narrow-focus sentences of Brazilian Portuguese: a comparison with European Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, v.6, n.1, p. 91-115, 2007a.

FERNANDES, F. R. Ordem, focalização e preenchimento em português: sintaxe e prosódia. 2007b. 415 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

FROTA, S. (Coord.). InAPoP – Interactive Atlas of the Prosody of Portuguese. Projeto de investigação científica (processo FCT PTDC/CLE-LIN/119787/2010). Universidade de Lisboa, 2012-2014.

FROTA, S.; CRUZ, M.; SVARTMAN, F.; VIGÁRIO, M.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; SCHWINDT, L. C. Portuguese: Labelling intonational variation across varieties of European and Brazilian Portuguese. Workshop on Romance ToBI, Universitat Rovira i Virgili, 2011.

FROTA, S.; CRUZ, M.; FERNANDES-SVARTMAN, F.; COLLISCHONN, G.; FONSECA, A.; SERRA, C.; OLIVEIRA, P.; VIGÁRIO, M. Intonational variation in Portuguese: European and Brazilian varieties. In: FROTA, S.; PRIETO, P. (Eds.). Intonational variation in Romance. Oxford: Oxford University Press, 2015. p. 235-283. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

FROTA, S.; VIGÁRIO, M. Aspectos de prosódia comparada: ritmo e entoação no PE e no PB. In: CASTRO, R. V.; BARBOSA, P. (Orgs.). Actas do XV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. v.1. Coimbra: Associação Portuguesa de Linguística, 2000, p. 533-555. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2015.

JUN, S-A. Prosodic Typology – The Phonology of Intonation and Phrasing. New York: Oxford University Press, 2005. 474 p.

LADD, D. R. Intonational Phonology. Cambridge: Cambridge University Press, 1996. 334 p.

LADD, D. R. Intonational Phonology, 2nd edition. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. 372 p.

MATEUS, M. H. M.; BRITO, A. M.; DUARTE, I.; FARIA, I. H.; FROTA, S.; MATOS, G.; OLIVEIRA, F.; VIGÁRIO, M.; VILLALVA, A. Gramática da Língua Portuguesa. 5. ed. Lisboa: Ed. Caminho, 2003. p. 460-479.

MORAES, J. The Pitch Accents in Brazilian Portuguese: analysis by synthesis. Laboratório de Fonética Acústica, Faculdade de Letras UFRJ/Faculdade de Letras UFRJ/CNPq, 2008. 9 p.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986. 327p.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology: with a new foreword. Berlin: Mouton de Gruyter, 2007. 327p.

PIERREHUMBERT, J. The phonology and phonetics of English intonation. 1980. 201 p. Tese (Doutorado em Filosofia) – Massachusetts Institute of Technology, Cambridge, Mass.

PIERREHUMBERT, J.; BECKMAN, M. Japanese Tone Structure. Cambridge, Mass: The Massachusetts Institute of Technology Press, 1988. 280 p.

SELKIRK, E. O. Phonology and syntax: The relation between sound and structure. Cambridge: The Massachusetts Institute of Technology Press, 1984. 424 p.

SELKIRK, E. O. On derived domains in sentence phonology. Phonology Yearbook, n. 3, p. 371-405, 1986.

SELKIRK, E. O. The interaction of constraints on prosodic phrasing. In: HORNE, M. (Ed.). Prosody: Theory and Experiment. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2000. p. 231-261.

SERRA, C. R. Realização e percepção de fronteiras prosódicas no português do Brasil: fala espontânea e leitura. 2009. 241 p. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

TENANI, L. E. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. 2002. 317 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

TRUCKENBRODT, H.; SANDALO, M. F. S.; ABAURRE M. B. M. Elements of Brazilian Portuguese intonation. Journal of Portuguese Linguistics, v. 8, p. 75-114, 2009.

VIGÁRIO, M.; FERNANDES-SVARTMAN, F. R. A atribuição de acentos tonais em compostos no português do Brasil. In: BRITO, A. M.; SILVA, F.; VELOSO, J.; FIÉIS, A. (Orgs.). XXV Encontro da Associação Portuguesa de Lingüística – Textos Seleccionados. Porto: Tip. Nunes, Ltda - Maia, 2010, v. 1, p. 769-786.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i1.1449

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)