O discurso jornalístico impresso e o “espetáculo” da democracia

Fábio Fernando Lima

Resumo


Neste artigo, buscaremos apresentar os resultados de um estudo que se propõe a investigar, analisar e descrever as estruturas responsáveis pelo estabelecimento das relações interpessoais e as intersecções destas com a persuasão no noticiário de jornais paulistas, estabelecendo, como recorte, publicações relacionadas aos desdobramentos da crise política no Brasil. Sustentaremos que o processo contemporâneo de “politização das mídias”, relativo ao fato de as mídias passarem a se apresentar pretensamente como instituições que cumprem uma função social imprescindível, propriamente a de desvelar criticamente aquilo que estaria oculto no mundo político, emerge na materialidade discursiva por meio de diversas estratégias camufladas de persuasão e controle. Construindo a ilusão da objetividade e imparcialidade, essas estratégias fortalecem a imposição de determinadas ideologias e o estabelecimento de consensos hegemônicos.


Palavras-chave


persuasão; relações interpessoais; Análise Crítica do Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. Outline of a theory of pratic. Cambridge: Cambridge University, 1991.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Tradução de Klauss Gerhardt. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

COURTINE, J. J. Os deslizamentos do espetáculo político. In: GREGOLIN, M. R. V. (Org.). Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003. p. 49-66.

CHARAUDEAU, P. O discurso das mídias. São Paulo: Contexto, 2006.

FAIRCLOUGH, N. Critical Discourse Analysis: the critical study of language. London and New York: Longman, 1995.

______. Critical Discourse Analysis: papers in the critical study of language. London and New York: Longman, 1997.

______. Discurso e mudança social. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

______. Analysing Discourse: textual analysis for social research. London: Routledge, 2007.

HALLIDAY, M. A. K. An Introduction to functional grammar. London: Hodder Arnold, 2001.

HABERMAS, J. The theory of communicative action. Reason and the rationalizalion of society. Boston: Beacon Press, 1984.

LIMA, F. F. Persuasão e constituição de consensos na mídia impressa paulista: o noticiário sobre as eleições. 2013. 259 f. Relatório Final de Pós-Doutoramento – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

MARSHALL, L. O jornalismo na era da publicidade. São Paulo: Summus Editorial, 2003.

MARTIN, J. R.; WHITE, P. R. R. The language of evaluation: appraisal in English. New York/Hampshire: Palgrave Macmillan, 2005.

PIOVEZANI FILHO, C. F. Política midiatizada e mídia politizada: fronteiras mitigadas na pós-modernidade. In: GREGOLIN, M. R. V. (Org.). Discurso e mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003. p. 49-64.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. O tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

RAMALHO, V.; RESENDE, V. M. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

THOMPSON, J. Mídia e modernidade: uma teoria social da mídia. 10. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

VAN DIJK, T. A. Discurso, poder y cognición social. Cuadernos, 2, Año 2. Maestría en Lingüística. Escuela de Ciencia del Lenguaje y Literaturas. 1994. Disponível em . Acesso em: 6 jun. 2007.

______. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.

WHITE, P. Valoração: a linguagem da avaliação e da perspectiva. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 4, n. esp., p. 178-205, 2004.

WODAK, R. Do que trata a ACD: um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 4, n. esp., p. 223-243, 2004.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i3.1564

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)