Por trás do editorial: um estudo semiótico sobre o ator manifestante de rua

Marcos Rogério Martins Costa

Resumo


Este estudo objetiva investigar o gênero editorial da cobertura jornalística resultante das manifestações populares de rua ocorridas em junho de 2013, nomeadas de Jornadas de Junho. Parte-se de uma perspectiva teórica interdisciplinar, pois se promove, principalmente, os pressupostos da semiótica francesa (GREIMAS; COURTÉS, 2008) e da filosofia bakhtiniana (BAKHTIN, 2006). Como corpus de análise, foram escolhidos os editoriais publicados nos dias 13, 15 e 20 de junho de 2013 dos jornais Folha de São Paulo e O Estado de São Paulo. A partir desse corpus, discute-se a estrutura temática e composicional do gênero e, então, analisa-se o estilo por meio dos distintos modos de tratar eticamente o ator do enunciado manifestante. Como resultado, depreende-se que o gênero editorial, ao se sustentar dominantemente no eixo do inteligível, desfavorece um acento sensível, o que não impede o enunciador, em seu estilo autoral (DISCINI, 2015), de sensibilizar seu enunciatário.


Palavras-chave


editorial; manifestante; sensível; inteligível; Jornadas de Junho

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

BAKHTIN, M. M. Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. p. 261-306.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (atualizada até a emenda constitucional nº 88, de 7 de maio de 2015) e Constituição do Estado de São Paulo (atualizada até a emenda constitucional nº 40, de 9 de abril de 2015). São Paulo: Imprensa Oficial; Governo do Estado de São Paulo, 2015.

COSTA, M. R. Memória e tensividade: as Jornadas de Junho de 2013 na charge e no editorial. Estudos semióticos. São Paulo, v. 12, n. 1, p. 43-54, jul. 2016a. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

COSTA, M. R. O corpo do manifestante das Jornadas de Junho de 2013: a charge e o editorial da Folha de São Paulo. Galáxia. São Paulo, n. 33, p. 158-170, set.-dez. 2016b. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

COSTA, M. R. Cobertura jornalística das Jornadas de Junho: um estudo interdisciplinar. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 46, n. 3, p. 1225-1241, 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2018.

DISCINI, N. Corpo e estilo. São Paulo: Contexto, 2015.

DISCINI, N. O estilo nos textos: história em quadrinhos, mídia e literatura. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

FIORIN, J. L. Astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, tempo e espaço. 2. ed. São Paulo: Ática, 2010.

FIORIN, J. L. Em busca do sentido: estudos discursivos. São Paulo: Contexto, 2008.

FIORIN, J. L. Objeto artístico e experiência estética. In: LANDOWSKI, E.; DORRA, R.; OLIVEIRA, A. C. (Orgs.). Semiótica, estesis, estética. São Paulo: EDUC; Puebla: UAP, 1999. p. 101-117.

FONTANILLE, J. Práticas semióticas: imanência e pertinência, eficiência e otimização. In: DINIZ, M. L. V. P.; PORTELA, J. C. (Orgs.). Semiótica e mídia: textos, práticas, estratégias. Bauru: UNESP/FAAC, 2008. p. 15-74.

PORTELA, J. C. Significação e visualidade: exercícios práticos. Tradução de Elizabeth Bastos Duarte e Maria Lília Dias de Castro. Porto Alegre: Sulina, 2005.

FSP – FOLHA DE SÃO PAULO. Retomar a Paulista. Folha de São Paulo. 13 jun. 2013a. Opinião, p. A2.

FSP – FOLHA DE SÃO PAULO. Agentes do caos. Folha de São Paulo. 15 jun. 2013b. Opinião, p. A2.

FSP – FOLHA DE SÃO PAULO. Vitória das ruas. Folha de São Paulo. 20 jun. 2013c. Opinião, p. A2.

GREIMAS, A. J. Sobre o sentido II: ensaios semióticos. Tradução de Dilson Ferreira da Cruz. São Paulo: Nankin; Edusp, 2014.

______. Da imperfeição. Tradução de Ana Claudia Mei Alves de Oliveira. São Paulo: Hacker, 2002.

GREIMAS, A. J.; COURTÉS, J. Dicionário de semiótica. Tradução de Alceu Dias Lima et al. São Paulo: Contexto, 2008.

HJELMSLEV, L. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Tradução de J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 2009.

INSTITUTO ANTÔNIO HOUAISS. Dicionário Houaiss eletrônico da língua portuguesa. CD-ROM. Rio de Janeiro: Instituto Houaiss; Editora Objetiva, 2014.

INTERVOZES – COLETIVO BRASIL DE COMUNICAÇÃO SOCIAL. Vozes silenciadas – mídia e protestos: a cobertura das manifestações de junho de 2013 nos jornais O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo. São Paulo: Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social, 2014.

JUDENSNAIDER, E. et al. Vinte centavos: a luta contra o aumento. São Paulo: Veneta, 2013.

LANDOWSKI, E. A sociedade refletida: ensaios de sociossemiótica. Tradução de Eduardo Brandão. Campinas: EDUC-Pontes, 1992.

MOREIRA, O. de L.; SANTIAGO, I. M. F. L. Vem pra rua: os protestos de junho. In: SOUSA, C. M. de. (Org.). Jornadas de junho: repercussões e leituras. Campina Grande: EDUEPB, 2013. p. 13-21.

MURANO, E. A linguagem dos protestos. Língua portuguesa. São Paulo, ano 8, n. 97, p. 26-33, ago. 2013.

NOBRE, M. Choque de democracia: razões da revolta. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

OESP – O ESTADO DE SÃO PAULO. Chegou a hora do basta. O Estado de São Paulo, São Paulo, 13 jun. 2013a, Notas & Informações, p. A3.

OESP – O ESTADO DE SÃO PAULO. Entender as manifestações. O Estado de São Paulo, São Paulo, 15 jun. 2013b, Notas & Informações, p. A3.

OESP – O ESTADO DE SÃO PAULO. “Sem violência” e sem controle. O Estado de São Paulo, São Paulo, 20 jun. 2013c, Notas & Informações, p. A3.

PESSOA DE BARROS, M. L. O discurso da memória: entre o sensível e o inteligível. 2011. 307 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SECCO, L. As Jornadas de Junho. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 71-78.

VOLOSHINOV, V. Discourse in life and discourse in art – concerning sociological poetics. In. Freudism. Tradução de I. R. Titunik. New York: Academic Press, 1976. p. 93-116. (Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza, para fins didáticos. p. 1-19).

ZILBERBERG, C. Elementos da gramática tensiva. Tradução de Ivã Lopes, Luiz Tatit e Waldir Beividas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v47i3.1979

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)