Análise comparativa dos quadros fonológicos dos crioulos autóctones do golfo da Guiné

Manuele Bandeira, Shirley Freitas

Resumo


Este estudo propõe uma análise comparativa das fonologias do santome, lung’Ie, angolar e o fa d’Ambô. A formação dessas línguas autóctones da região insular do golfo da Guiné, na África Ocidental, está diretamente relacionada a uma língua ancestral, o protocrioulo do golfo da Guiné (PGG). Com base no método histórico-comparativo, o presente estudo comparou os sistemas fonológicos das quatro línguas-filhas do PGG. Na comparação dos inventários consonantais, todas as línguas compartilham treze fonemas (/p b t d k g f v l m n w j/) e divergem quanto a treze fonemas (/kp gb s z θ ð ∫ ʒ ʎ r t∫ dʒ ɲ/). Os sistemas de vogais orais simples, por seu turno, convergem em todos os pontos, ao passo que os sistemas de vogais longas – idênticos em fa d’ambô, em lung’ie e em angolar – diferem apenas do santome que não apresenta os referidos segmentos. As divergências entre os quadros de fonemas refletiram os caminhos tomados pelas quatro línguas a partir da especiação do PGG após a separação geográfica de seus falantes e a consequente formação de cada língua.

Palavras-chave


crioulos portugueses; Golfo da Guiné; fonologia; comparação

Texto completo:

PDF

Referências


AGHEYISI, R. A grammar of Edo. Unesco, 1990.

AGOSTINHO, A. Fonologia do Lung’Ie. Lincom Studies in Pidgin & Creole Linguistics 15. Muenchen: LINCOM GmbH, 2016.

ARAUJO, G.; AGOSTINHO, A. L. Fa do Vesu, a language game of Fa d’Ambô. PAPIA, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 265-281, 2014.

ARAUJO, G. et al. Fa d’ambô: língua crioula de base portuguesa de Ano Bom. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, n. 2, p. 25-44, 2013.

ARAUJO, G.; HAGEMEIJER, T. Dicionário Santome-Português/Português-Santome. São Paulo: Hedra, 2013.

BANDEIRA, M. Reconstrução fonológica e lexical do protocrioulo do Golfo da Guiné. 2017. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

BARRENA, N. Gramatica anobonesa. Madrid: Instituto de Estudios Africanos, 1957.

CALDEIRA, A. Uma ilha quase desconhecida. Notas para a história de Ano Bom. Africana Studia, v. 17, p. 99-109, 2006.

CALDEIRA, A. La leyenda de lodã, o de cómo rolando, compañero del emperador Carlomagno, defendió la isla de Annobón de una invasión terrible. Oráfrica, v. 6, p. 89-114, 2010.

CALDEIRA, A. Medo e religião popular na ilha de Ano Bom. Uma aproximação histórica (séculos XVI-XIX). 2008. Disponível em: http://cvc.instituto-camoes.pteaarcoloquio comunicacoes. Acesso em: 12 set. 2014.

CALDEIRA, A. Crenças religiosas e ritos mágicos na ilha de Ano Bom: uma aproximação histórica. Povos e Culturas, v. 11, p. 87-111, 2007.

CAMPBELL, L. Historical linguistics: an introduction. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2004 [1998].

CEITA, M. N. Ensaio para uma Reconstrução Histórico-Antropológica dos angolares de S. Tomé. 1991. Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-graduação em Desenvolvimento Social e Económico em África) – Centro de Estudos Africanos, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 1991.

CLEMENTS, G. N.; RIALLAND, A. Africa as a phonological area. In: HEINE, B.; NURSE, D. (ed.). A linguistic geography of Africa. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 36-85.

COELHO, F. A. Os dialetos românticos ou neolatinos na África, Ásia e América. Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa. 2. série, v. 3. Lisboa: Academia Internacional da Cultura Portuguesa, 1880. p. 129-196.

CROWLEY, T. An introduction to historical linguistics. Auckland: Oxford University Press, 1997 [1992].

FACTBOOK, C. 2009. Disponível em: https://www.cia.gov/library/publications/the-world-factbook/geos/tp.html. Acesso em: 20 maio 2013.

FERRAZ, L. I. Portuguese creoles of West Africa and Asia. In: GILBERT, G. (ed.). Pidgins and creole languages: essays in memory of John E. Reinecke. Honolulu: University of Hawaii Press, 1987. p. 337-360.

FERRAZ, L. I. The creole of São Tomé. Johannesburg: Witwatersrand University Press, 1979.

FERRAZ, L. I. A Linguistic Appraisal of Angolar. Memoriam Antônio Jorge Dias, v. 2, p. 177-186, 1974.

FOX, A. Linguistic reconstruction: an introduction to theory and method. Oxford: Oxford University Press, 1995.

GÜLDEMANN, T. The macro-Sudan belt: Towards identifying a linguistic area in northern sub-Saharan African. In: HEINE, B.; NURSE, D. (ed.). A linguistic geography of Africa. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 151-185.

GÜNTHER, W. Das Portugiesische Kreolisch der ilha do Príncipe. Marburgo: Marburg an der Lahn, 1973.

HAGEMEIJER, T. Initial vowel agglutination in the Gulf of Guinea creoles. In: ABOH, E.; SMITH, N. (ed.). Complex processes in new languages. Amsterdam/Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2009. p. 29-50.

HAGEMEIJER, T. The Gulf of Guinea Creoles: Genetic and typological relations. Journal of Pidgin and Creole Languages, v. 26, n. 1, p. 111-154, 2011.

HLIBOWICKA-WEGLARZ, B. A origem dos crioulos de base lexical portuguesa no Golfo da Guiné. Romanica Cracoviensia, v. 11, p. 177-185, 2012.

HOCK, H. H. Initial strengthening. In: DRESSLER, W. U.; LUSCHÜTZKY, H. C.; PFEIFFER, O. E.; RENNISON, J. R. (ed.). Phonologica 1988: Proceedings of the 6th International Phonology Meeting. Cambridge: Cambridge University Press, 1991. p. 101-110.

INE. Recenseamento Geral da População e da Habitação: Características Educacionais da População. São Tomé: INE, 2013.

KAUFMAN, T. Language history in South America: what we know and how to know more. In: PAYNE, D. (ed.). Amazonian Linguistics. Austin: University of Texas Press, 1990. p. 13-31.

LADHAMS, J. Article Agglutination and the African Contribution to the Portuguese-based Creoles. 2007. Disponível em: http://bit.ly/2BTPbZL. Acesso em: 20 out. 2016.

LORENZINO, G. A. Uma avaliação socio-linguística sobre São Tomé e Príncipe. Actas do Congresso Internacional sobre o Português, v. II, p. 1-17, 1996.

MAURER, P. L’Angolar: Un créole afroportugais parlé à São Tomé; Notes de grammaire, textes, vocabulaires. Hamburg: Helmut Buske Verlag, 1995.

MAURER, P. Principense. Grammar, texts, and vocabulary of the Afro-Portuguese creole of the Island of Príncipe, Gulf of Guinea. London: Battlebridge Publications, 2009.

MICHAELIS, S. M. et al. Atlas of Pidgin and Creole Language Structures Online. Leipzig: Max Planck Institute for Evolutionary Anthropology, 2013. Disponível em: http://apics-online.info. Acesso em: 6 set. 2015.

NEGREIROS, A. L de A. História Etnographica da Ilha de S.Tomé. Lisboa: Antiga Casa Bertrand, 1895.

RIBEIRO, M. F. Dialecto da ilha do Principe. MS número 11.23.12, Schuchardt Archive da Universidade de Graz, Áustria, 1888.

SCHANG, E. L’emergence des créoles portugais du golfe de Guinée. 2003. Tese (Doutorado em Linguística) – Atelier nacional de reproduction des thèses, Université Nancy 2, Nacy, 2003.

SCHUCHARDT, H. On the creole portuguese of São Tomé (West Africa). Annotated translation from the German of Ueber des Negerportugiesische von S. Thomé. Sitzungsberichte Wien, v. 101, n. 2, p. 889-917. In: HAGEMEIJER, T.; HOLM, J. (ed.). Contact Languages: Critical Concepts in Linguistics. v. 1. London, New York: Routledge, 2008 [1882]. p. 131-156.

SCHUCHARDT, H. Ueber das Negerportugiesische der Ilha do Príncipe. Zeitschrift für romanische Philologie, v. 13, p. 463-475, 1889.

SCHUCHARDT, H. Ueber das Negerportugiesische von Annobom. Sitzungsberichte Wien, v. 116, p. 193-226, 1888.

SCHUCHARDT, H. Ueber des Negerportugiesische von S. Thomé. Sitzungsberichte Wien, v. 101, n. 2, p. 889-917, 1882.

SEGORBE, A. Gramática descriptiva del fa d’ambô. Barcelona: CEIBA Ediciones, 2007.

SEIBERT, G. Os angolares da Ilha de São Tomé: Náufragos, Autóctones ou Quilombolas? Dossiê História Atlântica, v. 12, n. 1/2, p. 43-64, 2004.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2229

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)