Numerais na língua Mehináku (Arawak)

Paulo Henrique Pereira Silva de Felipe

Resumo


Nosso objetivo, neste trabalho, é apresentar uma breve descrição linguística do sistema numeral, ou seja, dos termos numéricos, na língua Mehináku (Arawak). Evidenciaremos, em especial, o modo de funcionamento do sistema de contagem nessa língua. Pela análise da língua Mehináku que fizemos até o momento, percebemos que essa língua apresenta 20 números, que correspondem aos dedos das mãos e dos pés, respectivamente, sendo somente três números autônomos e com radicais completamente distintos. São eles: pawitsa (um), mipiama (dois) e kamayukula (três). Todos os demais números são derivados destes primeiros. Mostraremos, ainda, informações relativas ao plural e ao coletivo, bem como os recursos neológicos criados pelos falantes da língua Mehináku para tratar de valores em dinheiro.


Palavras-chave


língua Mehináku; sistema numeral; línguas indígenas; família Arawak

Texto completo:

PDF

Referências


AIKHENVALD, A. Y. Classe nominal e gênero em línguas aruák, Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi-CNPq, Belém, v. 10, n. 2, p. 137-259, 1994.

CORBERA MORI, A. H. Aspectos da estrutura Nominal em Mehináku (Arawak). Estudos Linguísticos, São Paulo, v. XXXVI, n. 1, p. 253-257, jan.-abr. 2007.

CORBERA MORI, A. H. Aspectos da Morfofonologia e Morfologia nominal da língua Mehináku (Arawak). In: FRANCHETTO, B. Alto Xingu: uma sociedade multilíngue. Rio de Janeiro: Museu do índio- FUNAI, 2011. p. 193-216.

CORBERA MORI, A. H. Waurá e Mehináku: um breve estudo comparativo. Estudos linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 196-205, jan.-abr. 2012.

FARGETTI, C. M.; SUMAIO, P. A. Numerais in Juruna. Revista LIAMES, v. 15, p. 375-392, 2015.

GREEN, D. O sistema numérico da língua Palikúr. In: FERREIRA, M. K. L. (org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 1994.

GREEN, D. Diferenças entre termos numéricos em algumas línguas indígenas do Brasil. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Série Antropologia, Belém, MPEG, v. 13, 1997.

GREEN, D. Os diferentes termos numéricos das línguas indígenas do Brasil. In: FERREIRA, M. K. L. (org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 2002.

GREGOR, T. Mehináku: o drama da vida diária em uma aldeia do Alto Xingu. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1982.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Povos indígenas no Brasil: 2001-2005. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2006.

POZZOBON, J. O sistema numérico dos índios Maku. In: FERREIRA, M. K. L. (org.). Ideias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 2002.

OLIVEIRA, A. Etnomatemática dos Taliáseri: medidores de tempo e sistema de numeração. 2007. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

POPJES, J.; POPJES, J. Canela-Krahó grammar. In: DERBYSHIRE, D.; PULLUM, G. K. Handbook of Amazonian Languages. v. 1. Berlin: Mouton de Gruyter, 1986. p. 127-199.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2231

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)