Uma análise sobre as categorias de desumanização do sujeito entre as personagens negras na obra Úrsula, de Maria Firmina dos Reis

José Gomes Pereira

Resumo


Este trabalho tem por objeto um estudo sobre as categorias de desumanização do sujeito oprimido, identificadas através do discurso do colonizador em relação às personagens negras, na obra Úrsula, da escritora maranhense Maria Firmina dos Reis. No ano de 1859, em pleno regime escravocrata, Maria Firmina tornou-se a primeira escritora afrodescendente a publicar um romance no Brasil, livro esse revelador de uma dupla ousadia: a primeira, de ter sido escrito por uma mulher, e, a segunda, de ter marcas abolicionistas em sua narrativa. Uma importante contribuição para as análises está no episódio das memórias de uma personagem chamada Mãe Susana, que, além de relembrar o período em que os negros foram trazidos à força para as terras brasileiras, também vai contestar os conceitos europeus de alforria e liberdade. Por conta desses detalhes históricos e antropológicos, serão utilizados, num quadro teórico-metodológico, os estudos pós-coloniais de Frantz Fanon e os conceitos de identidade de Stuart Hall.


Palavras-chave


memórias; negro; escravidão

Texto completo:

PDF

Referências


BERND, Z. Introdução à literatura negra. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

BHABHA, H. K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BONNICI, T.; ZOLIN, L. O. Teoria Literária. Abordagens Históricas e Tendências Contemporâneas. 3. ed. Maringá: EDUEM, 2009.

DUARTE, E. de A. Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção afro-brasileira. Posfácio. In: REIS, M. F. dos. Úrsula. A escrava. Florianópolis: Mulheres, Belo Horizonte: PUC-Minas, 2004.

FANON, F. Pele Negra Máscaras Brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FILHO, N. M. Maria Firmina. Fragmentos de uma vida. São Luís: s.e.,1975.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guaracira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

LARAIA, R. de B. Cultura um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2014.

LE GOFF, J. História e Memória. Tradução Bernardo Leitão et al. 5. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

MEMMI, A. Retrato do colonizado precedido de Retrato do colonizador. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

REIS, M. F. dos. Úrsula. A Escrava. Florianópolis: Editora Mulheres, 2004.

SAID, E. W. Orientalismo. O Oriente como intervenção do Ocidente. São Paulo: Editora Schwarcz, 2007.

SOUZA, N. S. Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2245

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)