Os (con)textos da resistência feminina: nação, guerra e identidade em obras de Mia Couto e de Paulina Chiziane

Everton Fernando Micheletti

Resumo


As produções literárias dos escritores Mia Couto e Paulina Chiziane são marcadas pela preocupação com a situação das mulheres em Moçambique, passando pelos momentos de guerras e, consequentemente, de tensões nas relações sociais e familiares. Neste artigo, são analisadas algumas obras dos dois autores, levantando-se questões sobre as divisões de gênero com base na sexualidade, com ênfase na temática da resistência feminina no contexto da nação ex-colonial.

Palavras-chave


literatura moçambicana; identidade feminina; Mia Couto; Paulina Chiziane

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. M. Problemas da Poética de Dostoiévski. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2008.

BOSI, A. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

BUTLER. J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

CHAVES, R. A Formação do Romance Angolano: entre Intenções e Gestos. São Paulo: Via Atlântica/USP, 1999.

CHIZIANE, P. Balada de amor ao vento. 3. ed. Lisboa: Caminho, 2016.

CHIZIANE, P. Eu, Mulher...: por uma nova visão do mundo. Belo Horizonte: Nandyala, 2013a.

CHIZIANE, P. As andorinhas. Belo Horizonte: Nandyala, 2013b.

CHIZIANE, P. Ventos do Apocalipse. 3. ed. Maputo: Ndjira, 2010.

CHIZIANE, P. Niketche: uma história de poligamia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CONNELL, R. W.; MESSERSCHMIDT, J. W. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos Feministas, Florianópolis: UFSC, v. 21, n. 1, p. 241-282, 2013.

COUTO, M. Conversa com Mia Couto. Disponível em: http://www.buala.org/pt/cara-a-cara/conversa-com-mia-couto. Entrevista concedida ao Diário de Notícias, 1998. Acesso em: 10 abr. 2018 [não paginado].

COUTO, M. Mulheres de cinzas. As areias do imperador: uma trilogia moçambicana, livro 1. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

COUTO, M. Mulher de mim. In: COUTO, M. Cada homem é uma raça. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 123-134.

COUTO, M. A confissão da leoa. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COUTO, M. Antes de nascer o mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

COUTO, M. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GARCIA, J. L. L. O mito de Gungunhana na ideologia nacionalista de Moçambique. In: GARCIA, J. L. L. Comunidades Imaginadas: nação e nacionalismos em África. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2008. p. 131-147.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 4. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

MATA, I. Entrevista. Revista Crioula, Universidade de São Paulo, n. 5, p. 01-19, 2009. Entrevista concedida a Débora L. David.

NOA, F. Perto do fragmento, a totalidade: olhares sobre a literatura e o mundo. São Paulo: Kapulana, 2015.

SARTRE, J. P. Que é a literatura? 3. ed. São Paulo: Ática, 2004.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012.

SPIVAK, G. C. Displacement and the Discourse of Woman. In: KRUPNICK, M. (ed.). Displacement: Derrida and After. Bloomington: University of Indiana Press, 1983. p. 169-185.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2272

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)