Diário escrito para a posteridade: os diários de Getúlio Vargas

Nathalia Reis Fernandes

Resumo


Ainda que tenha inicialmente mantido seu material em segredo, o autor de um diário pode deixar marcas sutis de seu intuito, que permitem descortinar um desejo velado de exposição. Isso pode se manifestar na atenção ao suporte material em que escreve, no traçado dos caracteres ou outros elementos de fundo codicológico que compõem o material. Nesse sentido, com base em tese de doutorado que abordou, entre outras questões, a caracterização do gênero discursivo “diário”, e com inspiração no documentário Imagens do Estado Novo 1937-45, de Eduardo Escorel (2016), procuraremos analisar se tais características estariam presentes no diário de Getúlio Vargas, escrito entre 1930 e 1942, material em que se pode notar uma variação nos elementos codicológicos ao longo do tempo. Compararemos essas escolhas do autor com os padrões de outros diários, a fim de sustentar nossas conclusões.

Palavras-chave


diário, gênero discursivo, codicologia, edição de manuscritos

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. de. O turista aprendiz. Edição anotada e documentada por T. A. Lopez e T. L. Figueiredo. Brasília: IPHAN, 2015.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução V. Miotello e C. A. Faraco. 3. ed. São Carlos: Pedro & João, 2017.

BRAIT, B.; MELO, R. de. Enunciado/enunciado concreto/enunciação. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2008. p. 61-78.

CAMBRAIA, C. N. Introdução à crítica textual. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

CENTRO DE PESQUISA E DOCUMENTAÇÃO DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS (CPDOC-FGV). Diário pessoal de Getúlio Vargas. Disponível em: http://bit.ly/2XM82ye. Acesso em: 15 maio 2018.

COELHO, M. “Diário” expõe o Getúlio Vargas inapetente. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 dez. 1995. Ilustrada. Disponível em: http://bit.ly/2NT1cYb. Acesso em: 11 set. 2018.

FERNANDES, N. R. Expressão coletiva e gênero textual nos cadernos de Juca Teles do Sertão das Cotias: por um estatuto do gênero diário. 2017. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2008.

GRAHAM, M. Diário de uma viagem ao Brasil. Tradução A. J. L. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/Editora da Universidade de São Paulo, 1990.

GRUPO DE ESTUDOS DE GÊNEROS DO DISCURSO. Palavras e contrapalavras: glossariando conceitos, categorias e noções de Bakhtin. São Carlos: Pedro & João, 2009.

IMAGENS do Estado Novo 1937-45. Direção: E. Escorel. Brasil: Brasil 1500, 2016. 227 min, digital, p&b/color.

MACHADO, I. Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2008. p. 151-166.

MUNHOZ, R. F. Filologia e discurso na correspondência oficial do Morgado de Mateus: edição de documentos administrativos e estudo das marcas de avaliatividade. 2015. 2 v. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

VARGAS, G. In: DICIONÁRIO histórico-biográfico brasileiro: pós-1930. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV-CPDOC, 2001. Versão on-line, em formato HTML. Disponível em:

http://bit.ly/2G5o2Wj. Acesso em: 11 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2274

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)