A polêmica sobre a imigração no Brasil: questões de memória discursiva

Patrícia Aparecida de Aquino, Daiane Rodrigues de Oliveira Bitencourt

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar aspectos da polêmica sobre a imigração em diferentes momentos da história brasileira. Para tanto, o artigo fundamenta-se na perspectiva teórica da Análise do Discurso, mais especificamente, nas noções de memória discursiva (COURTINE, 1999), estereótipos (AMOSSY; PIERROT, 2001) e Semântica Global (MAINGUENEAU, 2005 [1984]). O corpus é constituído de enunciados que discutem a imigração em duas épocas diferentes: o século XIX e o século XXI. Os resultados mostram um percurso de memória em que posições são apagadas e retomadas a depender de interesses econômicos e políticos ao longo da história. Estas análises indicam que os enunciadores, ao mesmo tempo que defendem uma posição em relação a alguns grupos de imigrantes como ameaças para o Brasil, constroem uma imagem de si como cordiais, defendendo que não são preconceituosos e racistas.


Palavras-chave


estereótipo; memória; polêmica; imigração

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R.; PIERROT. A. H. Estereotipos y clichés. Buenos Aires: Eudeba, 2001.

AZEVEDO, C. M. M. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. São Paulo: Annablume, 2008.

BRACANTE, P. H.; REIS, R. R. A “securitização da imigração”: mapa do debate. Lua Nova, São Paulo, n. 77, p. 73-104, 2009.

CARNEIRO, M. L. T. A imagem do imigrante indesejável. In: SEMINÁRIOS – IMIGRAÇÃO, REPRESSÃO E SEGURANÇA NACIONAL, São Paulo: Arquivo do Estado/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, n. 3, p. 23-44, out. 2003.

COARACY, V. Memórias da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1955.

COURTINE, J. J. O Chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURSKY, F. (org.). Os múltiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato, 1999.

DOMENECH, E. Las migraciones son como el água: hacia la instauracion de políticas de control com rostro humano. Polis, n. 35, p. 1-20, 2013.

DOMENECH, E. O controle da imigração “indesejável”: expulsão e expulsabilidade na América do Sul. Ciênc. Cult., São Paulo, v. 76, n. 2, p. 25-29, abr./jun. 2015.

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes: no limiar de uma nova era. v. II. São Paulo: Globo, 2008 [1964].

GERALDO, E. A “lei de cotas” de 1934: controle de estrangeiros no Brasil, Cad. AEL, v. 15, n. 27, p. 173-209, 2009.

GRANADA, D. et al. Discutir saúde e imigração no contexto atual de intensa mobilidade humana. Interface, v. 21, n. 61, p. 285-296, abr./jun. 2017.

HOLANDA, S. B. Visão do paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2010 [1959].

KUNDERA, M. O Livro do Riso e do Esquecimento. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1987 [1978].

MAINGUENEAU, D. Cenas da enunciação. Curitiba: Criar Edições, 2006.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Curitiba: Criar Edições, 2005 [1984].

SCHWARCZ, L. M. Previsões são sempre traiçoeiras: João Baptista de Lacerda e seu Brasil branco. Hist. Cienc. Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 225-242, mar. 2011.

TEIXEIRA, R. S. Imigração de trabalhadores estrangeiros no Nordeste, final do século XIX e início do século XX. Anais do XXIII Encontro Regional da Anpuh/SP: História: por quê e para quem? São Paulo, v. 1, p. 1-18, 2016.

VILELA-ARDENGHIE, A. C.; MOTTA, A. R. Brasil-paraíso: estereótipo e circulação. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 29, n. 3, p. 381-404, 2013.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2329

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)