Percepção auditiva de fronteiras de palavras e de clíticos fonológicos no Português Brasileiro

Lilian Maria da Silva

Resumo


Este artigo analisa a percepção auditiva de fronteiras de clíticos fonológicos e de palavras prosódicas no Português Brasileiro. Para testar o quanto essas fronteiras são mais ou menos perceptíveis aos falantes nativos, desenvolvemos um experimento de percepção de fala a partir de sentenças formadas por estruturas cuja cadeia segmental correspondia, simultaneamente, à palavra prosódica e à estrutura de clítico e hospedeiro, como “encaixa” e “em caixa”, respectivamente. Como resultado principal, discutimos que a percepção de fronteiras de unidades linguísticas menores, como de sílaba e de palavra, está fortemente relacionada a aspectos fonológicos da língua.


Palavras-chave


percepção de fala; palavra prosódica; estrutura de clítico e hospedeiro; Português Brasileiro

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, C. et al. PERCEVAL: PERCeption EVALuation Auditive &Visuelle (Versão 4.0.0.0) [Programa de Computador]. Aix-en-Provence, 2017.

BISOL, L. O clítico e o seu hospedeiro. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 163-184, 2005.

BISOL, L. O clítico e seu status prosódico. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 5-20, 2000.

CÂMARA JR., J. M. Princípios de linguística geral: como introdução aos estudos superiores da língua portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1964.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 1970.

FROTA, S. Prosody and focos in Euroupean Portuguese: phonological phrasing and intonation. New York: Garland Publishing, 2000.

HAYES, B. The prosodic hierarchy in meter. In: KIPARSKY, P.; YOUMANS, G. (ed.). Rhythm and Meter. Orlando: Academic Press, 1989. p. 201-260.

MILLOTE, S.; WALES, R.; CHRISTOPHE, A. Phrasal prosody desambiguates syntax. Language and cognitive processes, v. 22, p. 898-909, 2007.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology. Dordrechet: Foris Publications, 1986.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic Phonology: with a new foreword. Berlim/New York: Mouton de Gruyter, 2007.

SCHWARTZ, J. et al. The Perception for Action Control Theory (PACT): a perceptuo-motor theory of speech perception. Journal of Neurolinguistics, Élsevier, v. 5, n. 25, p. 336-354, 2012.

SELKIRK, E. Phonology and Syntax: the relation between sound and structure. The Massachusetts Institute Technology, 1984.

SELKIRK, E. The prosodic structure of function words. In: MORGAN, J.; DEMUTH, K. (ed.). Signal to syntax: bootstrapping from speech to grammar in early acquisition, Mawhaw NJ: Lawrence Erlbaum, 1996. p. 187-213.

SEVERINO, C. Fronteiras prosódicas e desambiguação no Português Europeu. 2011. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

SILVA, L. M.; TENANI, L. Hipersegmentações de palavra no ensino fundamental. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

SILVA, L. M. Grafias não convencionais de preposições e sílabas pretônicas: pistas de prosodização de clíticos preposicionais. 2018. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2018.

SIMIONI, T. O clítico e seu lugar na estrutura prosódica em português brasileiro. ALFA, São Paulo, v. 52, n. 2, p. 431-446, 2008.

TENANI, L. Entre o grupo clítico e a palavra fonológica: os erros de segmentação não-convencional de palavras. Comunicação apresentada no VI Congresso Internacional da ABRALIN, 2009.

TENANI, L. Prosódia e escrita: uma análise a partir de (hiper)segmentações de palavra. 2016. Tese (Livre-Docência em Fonologia) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2016.

TENANI, L.; FIEL, R. P. O papel de estruturas prosódicas e morfossintáticas em hipossegmentações do Ensino Fundamental-II. Revista do Gel, São Paulo, v. 13, n. 3,

p. 107-129, 2016.

VELOSO, J. Unidades acentuais proproparoxítonas e grupos clíticos em português. 2012. Disponível em: http://bit.ly/2Y0O7A2. Acesso em: 10 jul. 2018.

VIGÁRIO, M. The prosodic word in European Portuguese. Berlim/New York: Mouton de Gruyter, 2003.

VIGÁRIO, M. Prosodic structure between the prosodic word and the phonological phrase: recursive nodes or an independent domain? The Linguistic Review, n. 27, p. 485-530, 2010.

VOGEL, I. The status of the Clitic Group. In: GRIJZENHOUT, J.; KABAK, B. (ed.). Phonological Domains: universals and deviations. Mouton de Gruyter, 2009. p. 15-46.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i2.2340

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)