Linn da Quebrada: o corpo trans na experiência urbana

Redson Pagnan, Marília Giselda Rodrigues

Resumo


Este artigo apresenta uma análise da canção “Mulher”, da artista Linn da Quebrada, veiculada na obra audiovisual blasFêmea, a partir da perspectiva teórico-metodológica da Análise do Discurso de linha francesa. O tema que atravessa a produção é a questão do “ser” mulher a partir da vivência do corpo transexual e periférico, em relação ao espaço urbano, portanto, social, habitado por essa persona. Diante desse emblema contemporâneo, trazemos para o debate a relação entre gênero, sexualidade e espaço urbano, a partir da prática discursiva intersemiótica de Linn da Quebrada, a fim de repensar as formas de construção de identidades de gênero, partindo da desconstrução das cisheteronormatividades, essas dadas como naturais. Faremos a exposição do tema chave, gênero e espaço urbano, aqui, já que nos interessa discutir sobre o papel social que a arquitetura desempenha em nossa cultura, e logo depois faremos uma breve reflexão a respeito dos conceitos utilizados para, então, expormos nossa análise.


Palavras-chave


prática discursiva intersemiótica; ethos discursivo; queer; espaço urbano

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, M. Los no-lugares: espacios del anonimato. Barcelona: Gedisa, 1998.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2017.

BUTLER, J. Corpos que pensam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, G. L. (org.). O corpo educado. Pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

p. 153-172.

CORTÉS, J. M. G. Políticas do espaço: arquitetura, gênero e controle social. Tradução Silvana Cobucci Leite. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

DE BOTTON, A. A arquitetura da felicidade. Tradução Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

FEDATTO, C. P. Um saber das ruas. O discurso histórico sobre a cidade brasileira. Campinas: Editora da UNICAMP, 2013.

FRAMPTON, K. História crítica da arquitetura moderna. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GEHL, J. Cidades para pessoas. Tradução Anita Di Marco. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez. 2013.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. São Paulo: Parábola, 2008.

MAINGUENEAU, D. Discurso Literário. São Paulo: Contexto, 2006.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Curitiba: Criar Edições, 2005.

MUSSALIM, F. Semântica Global: uma prática intersemiótica. 2001.

PARK, R. On social control and coletive behaviour. Chicago. University Press, 1967, p. 3. In: HARVEY, D. Cidades Rebeldes: do direito a cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

PIRIS, E. L. O papel da cenografia na construção do ethos discursivo: estudo de três pronunciamentos parlamentares que antecederam o AI-5. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. XXXVI, n. 3, p. 182-190, set./dez. 2007.

REQUENA, C. A. J. Habitar híbrido: interatividade e experiência na era da cibercultura. Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2007.

SALIH. S. Judith Butler e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

SEGAWA, H. Arquiteturas do Brasil 1900-1990. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2010.

SENNETT, R. Carne e Pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Tradução Marcos Aarão Reis. 4. ed. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2016.

SPARGO. T. Foucault e a teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

VARELLA, D.; BERTAZZO, I.; JACQUES, P. B. Maré, vida na favela. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v48i3.2361

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)