A pipa sem varetas no estado de São Paulo: variação diatópica

Autores

Palavras-chave:

Dialetologia, São Paulo, Projeto ALiB, jogos e diversões infantis, capucheta.

Resumo

Os jogos e as diversões são elementos presentes nas diferentes culturas e o modo de nomear esses objetos acabam por refletir a relação entre o homem, o brinquedo e a sociedade. Desse modo, este estudo examina as denominações cartografadas para a pipa sem varetas na tese O Léxico de Brinquedos e Brincadeiras infantis no estado de São Paulo (ALENCAR, 2018), com vistas a delimitar geograficamente os registros de capucheta, denominação mais produtiva, buscando comprovar sua presença como uma marca paulista no léxico dos brinquedos. Com esse propósito, se discutem as denominações obtidas para esse brinquedo em comparação com outros trabalhos. A tese base para o estudo foi produzida a partir de dados do Projeto ALiB e contou com uma rede de 47 localidades nos estados de SP, PR, MG, MS, RJ totalizando na análise de 188 inquéritos. O estudo pautou-se em pressupostos da Dialetologia, da Lexicologia e da Etnolinguística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

XXXX, XXXX. XXXX. 2018. Tese. (Doutorado em Letras) XXXX, 2018.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. Rio de Janeiro: Editora 34, 2009, 2º ed.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. Dimensões da Palavra. In: Filologia e Língua Portuguesa, São Paulo, Humanitas Publicações/ FFLCH/ USP, n. 02, 1998, p. 81-118.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino. Geolinguística: Tradição e modernidade. São Paulo: Parábola, 2010.

CARDOSO, Suzana Alice M. et al. Atlas linguístico do Brasil, v. 2 (Cartas linguísticas). Londrina: EDUEL, 2014.

CARVALHO, Ana M.A; PONTE, Fernando A.R, Brincadeira é Cultura. In: Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca: o Brasil que brinca. São Paulo. Casa do Psicólogo, 2011, v.1, p. 15-30.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB. Atlas Linguístico do Brasil: Questionários 2001. 2 ed. Londrina: Ed. UEL, 2001.

D’ANUNCIAÇÃO, Eliana Souza. Registrando o léxico dos brinquedos e brincadeiras infantis em Minas Gerais. 2016. 86f. Monografia (Graduação em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

MAPA DO BRINCAR. Disponível em: http://mapadobrincar.folha.com.br Acesso em: 20 fev. 2018.

PORTILHO, Danyelle Almeida Saraiva. O falar amazônico: uma análise da proposta de Nascentes (1953) a partir de dados do Projeto ALiB. 2013. 155p. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2013.

RIBEIRO, Silvana Soares Costa. Brinquedos e brincadeiras infantis na área do “Falar Baiano”. 2012. 752f. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2012.

SAPIR, Edward. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Ed. Livraria Acadêmica, 1969.

SANTOS, Leandro Almeida dos. Brincando pelos caminhos do Falar Fluminense. 2016. 197 p. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2016.

SANTOS, Graziele Ferreira da Silva. O léxico dos jogos e diversões infantis no corpus do Projeto ALiB: visitando o Falar Nordestino. 2018. 207f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) Universidade Federal da Bahia, Salvador. 2018.

ZÁGARI, M. R. L. Os Falares Mineiros: Esboço de um Atlas Lingüístico de Minas Gerais. In: Vanderci de Andrade Aguilera. (org.). A Geolingüística no Brasil - trilhas seguidas, caminhos a percorrer. 1ed. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2005, v. 1, p. 45-72.

Downloads

Publicado

27-12-2021

Como Citar

Alencar, B. A. (2021). A pipa sem varetas no estado de São Paulo: variação diatópica. Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978), 50(3). Recuperado de https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/3031

Edição

Seção

Artigos