Multifuncionalidade de ainda no português brasileiro à luz da Gramática Discursivo-Funcional

Michel Gustavo Fontes

Resumo


Com base na perspectiva da Gramática Discursivo-Funcional, este artigo objetiva caracterizar a multifuncionalidade de ainda no português brasileiro. Especificamente, pretende-se lançar algumas reflexões preliminares a respeito do processo de decategorização e de mudança metafórica envolvidos na gramaticalização do item ainda.


Palavras-chave


Multifuncionalidade; Gramaticalização; Gramática Discursivo-Funcional

Texto completo:

PDF

Referências


DAVIES, Mark; FERREIRA, Michael. Corpus do Português: 45 million words, 1300s- 1900s. 2006. Available at: . Acesso em: 11 jun. 2013.

FERREIRA, B. Rota de Gramaticalização dos advérbios ainda e sempre. Filologia e linguística portuguesa, n. 13, v. 2, p. 505-516, 2011.

FURTADO DA CUNHA, M. A.; OLIVEIRA, N. F. Os advérbios já, mais e ainda nas orações negativas. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, ano 2, v. 2, p. 63-77, 1993.

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HÜNNEMEYER, F. Grammaticalization: a conceptual framework. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

HENGEVELD, K.; MACKENZIE, L. Functional Discourse Grammar: a typologically- -based theory of language structure. Oxford: Oxford University Press, 2008.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

ILARI, R. Sobre os advérbios aspectuais. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do português falado: níveis de análise linguística. v. 2. 4. ed. rev. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. p. 139-180.

ILARI, R. et al. Considerações sobre a ordem dos advérbios. In: CASTILHO, A. T. (Org.). Gramática do português falado: a ordem. v. 1. 4. ed. rev. Campinas: Editora da Unicamp, 2002. p. 53-120.

KEIZER, E. The lexical-grammatical dichotomy in Functional Discourse Grammar. Alfa, São Paulo, n. 51, v. 2, p. 35-56, 2007.

LONGHIN-THOMAZI, S. R. Um exemplo de (inter)subjetivização na linguagem: a reconstrução histórica de ‘ainda’. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 34, p. 1361-1366, 2004.

LONGHIN-THOMAZI, S. R. Gramaticalização de conjunções coordenativas: a história de uma conclusiva. Gragoatá, Rio de Janeiro, UFF, v. 21, n. 21, p. 59-72, 2005.

LOPES-DAMASIO. Diacronia dos processos constitutivos do texto relativos a “assim”: um novo enfoque da gramaticalização. 284 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, São Paulo, 2011.

MARTELOTTA, M. E. Os circunstanciadores temporais e sua ordenação: uma abordagem funcional. 1993. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Faculdade de Letras, Rio de Janeiro, 1993.

MARTELOTTA, M. E. Gramaticalização de conectivos portugueses: uma trajetória do espaço para o texto. Estudos Linguísticos, Lisboa, n. 2, p. 41-60, 2008.

NEVES, M. H. M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora da Unesp, 2011.

NEVES, M. H. M. Os advérbios circunstanciais de lugar e tempo. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do português falado: níveis de análise linguística. v. 2. 4 ed. rev. Campinas: Ed. da Unicamp, 2002. p. 249-285.

PEZATTI, E. G. Clivagem e construções similares: contraste, foco e ênfase. Linguística, v. 28, p. 73-98, 2012.

VICENTE, R. B. et al. Formação histórica e os padrões funcionais de ainda. In: VICENTE, R. B. et al. Cognição, gramaticalização e cultura: um diálogo sem fronteiras. São Paulo: USP/FFLCH, 2011. p. 55-73.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)