A importância do documento judicial para o estudo linguístico histórico

Nathalia Reis Fernandes

Resumo


Cremos que o depoimento judicial pode ser aplicado no estudo linguístico histórico, tendo em vista o fato de que (i) é produzido oralmente e depende das formalidades da escrita para se materializar no processo, que, no Brasil, é eminentemente escrito; (ii) as condições a que o escrivão é submetido no momento da transcrever o que é dito pela testemunha podem fazer com que deixe de lado a preocupação em redigir o texto de acordo com a norma culta, exigida em sua profissão, e faça uso da sua própria variante coloquial; (iii) os trechos do processo judicial nos quais o escrivão não está submetido a tais condições observam estilo e regras de forma muito mais cuidadosa.


Palavras-chave


depoimento; oralidade; fonte oral; crítica textual de manuscritos modernos; diacronia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Cândido Mendes de. Codigo Phillippino ou ordenações e leis do reino de Portugal. 14. ed. segundo a 1a de 1603 e a 9a de Coimbra, de 1824. Rio de Janeiro: Instituto Philomathico, 1870. 1487 p.

AMARAL SANTOS, Moacyr. Prova judiciária no cível e no comercial. 4. ed. São Paulo: Max Limonad, 1972. v. III. 594 p.

BARBOSA, Ruy. Replica do Senador Ruy Barbosa ás defesas da redacção do Projeto da Camara dos Deputados. Codigo Civil Brazileiro. Trabalhos da Comissão Especial do Senado. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1904. v. II. 599 p.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez e latino. Lisboa: Officina de Paschoal da Sylva, 1713. v. III. 410 p.

CÂMARA LEAL, Antonio Luiz da. Do depoimento pessoal: theoria e pratica. São Paulo: Saraiva, 1923 (Collecção Juridica da Livraria Academica, v. XI). 219 p.

CAPPELLETTI, Mauro. Procédure orale et procédure écrite. Rapport général présenté au VIIIe Congrès International de Droit Comparé, Section II-C-2. Milano: Giuffrè, 1970. 102 p.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. A perda do princípio “evite pronome” no português brasileiro. 151 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

DUARTE, Maria Eugênia Lamoglia. Do pronome nulo ao pronome pleno: a trajetória do sujeito no português do Brasil. In: ROBERTS, Ian; KATO, Mary A. (Org.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Homenagem a Fernando Tarallo. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. 425 p.

FERNANDES, Nathalia Reis. Sujeito nulo na história do português de São Paulo (1878-1947). 224 p. Dissertação (Mestrado) – São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FREIRE, Laudelino de Oliveira. Grande e novíssimo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: A Noite, s/d. v. 3. 3056 p.

GOMES, Orlando. Introdução ao direito civil. 13. ed. com atualização e notas de Humberto Theodoro Junior. Rio de Janeiro: Forense, 1999. 562 p.

OITICICA, José. Manual de estilo. 5. ed. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1944. 219 p.

PIMENTA BUENO, José. Apontamentos sobre o processo criminal brasileiro. 4. ed. anotada por Vicente Ferrer de Barros W. Araújo. Lisboa: A. M. Teixeira, 1910. 635 p.

RIBEIRO, Priscilla Barbosa. A ordem de constituintes sentenciais no português paulista. 118 p. Dissertação (Mestrado) –Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

RODRIGUES, Ângela Cecília de Souza. A concordância verbal no português popular em São Paulo. 200 p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

SILVEIRA BUENO. Influências italianas na fala de São Paulo. Jornal de Filologia, ano I, v. 1, n. 1, p. 1-16, jul./set. 1953.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)