Os advérbios em -mente no Português Arcaico: um estudo do estatuto prosódico dessas formas

Thais Holanda de Abreu

Resumo


O intuito deste trabalho é realizar um estudo dos advérbios em -mente no Português Arcaico (PA) por meio da descrição do estatuto prosódico dessas formas, a fim de determinar se, no período arcaico de nossa língua, esses advérbios podiam ser considerados formas simples (um acento principal) ou compostas (dois acentos lexicais). Para isso, foi escolhido um corpus constituído das cantigas medievais, das quais fazem parte as 420 cantigas religiosas em louvor à Virgem Maria, chamadas Cantigas de Santa Maria (CSM), e as 1.251 cantigas profanas (510 de amigo, 431 de escárnio e maldizer e 310 de amor). A metodologia utilizada é similar à proposta por Massini-Cagliari em seus trabalhos de 1995 e 2005: por meio da escansão dos versos em que se encontram as ocorrências mapeadas poderemos localizar o acento poético e, consequentemente, o acento nas palavras, facilitando a investigação da estrutura prosódica das formas adverbiais em -mente de um período da língua em que não existem mais falantes nativos vivos.

 


Palavras-chave


Advérbios em -mente; Estatuto prosódico; Português Arcaico

Texto completo:

PDF

Referências


ALLEN, W. S. Accent and rhythm: prosodic features of Latin and Greek, a study in theory and reconstruction. Cambridge, England: Cambridge University Press, 1973.

BASÍLIO, M. Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

BORGES, P. R. Estrutura morfofonológica das formas futuras nas cantigas de Santa Maria. 2008. 309 f. Tese (Doutorado em Linguística, área de concentração Morfologia e Fonologia) – Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, SP, 2008.

CAGLIARI, L. C. Fonologia do português: análise pela geometria de traços e pela fonologia lexical. Campinas, SP: [s.n.], 1997.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

CÂMARA JR., J. M. História e estrutura da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Padrão, 1979.

COSTA, D. S. da. A interface música e linguística como instrumental metodológico para o estudo da prosódia do português arcaico. 2010. 200 f. Tese (Doutorado em Linguística, área de concentração Fonologia) – Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, SP, 2010.

COSTA, D. S. da. A. Estudo do acento lexical no português arcaico por meio das cantigas de Santa Maria. 2006. 163 f. Dissertação (Mestrado em Linguística, área de concentração Fonologia) - Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, SP, 2006.

COSTA, J. O advérbio em português europeu. Lisboa, Portugal: Colibri, 2008.

FABB, N.; HALLE, M. Meter in poetry: a new theory. Cambridge, England: Cambridge University Press, 2012.

HAYES, B. Metrical stress theory: principles and case studies. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

LAPA, M. R. Cantigas d’escarnho e de mal dizer dos cancioneiros medievais portugueses. 3. ed. Lisboa, Portugal: João Sá da Costa, 1998a.

LAPA, M. R. Crestomatia arcaica. Belo Horizonte, MG: Itatiaia, 1960.

LAPA, M. R. Glossário cantigas d’escarnho e de mal dizer dos cancioneiros medievais portugueses. In: Cantigas d’escarnho e de mal dizer dos cancioneiros medievais galego-portugueses. Lisboa, Portugal: João Sá da Costa, 1998b. p. 289-393.

LAROCA, M. N. C. Manual de morfologia do português. Campinas, SP: Pontes, 2001.

MASSINI-CAGLIARI, G. A música da fala dos trovadores: estudos de prosódia do português arcaico, a partir das cantigas profanas e religiosas. 2005. 348 f. Tese (Livre Docência em Linguística, área de concentração Fonologia) – Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, SP, 2005.

MASSINI-CAGLIARI, G. Cantigas de amigo: do ritmo poético ao linguístico. Um estudo do percurso histórico da acentuação em português. 1995. 300 f. Tese (Doutorado em Linguística, área de concentração Fonologia) – Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1995.

MASSINI-CAGLIARI, G. Do poético ao linguístico no ritmo dos trovadores: três momentos da história do acento. São Paulo: Cultura Acadêmica, 1999.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. De sons de poetas ou estudando fonologia através da poesia. Revista da Anpoll. São Paulo, n. 5, p. 77-105, 1998.

MASSINI-CAGLIARI, G.; CAGLIARI, L. C. Fonética. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. v. 1. São Paulo: Cortez, 2001. p. 105-146.

MATEUS, M. H. M. O acento de palavra em português: uma nova proposta. Lisboa, Portugal: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1983. p. 231-248.

METTMANN, W. Cantigas de Santa María (cantigas 1 a 100). Madrid, España: Castalia, 1986.

METTMANN, W. Cantigas de Santa María (cantigas 101 a 260). Madrid, España: Castalia, 1988a.

METTMANN, W. Cantigas de Santa María (cantigas 261 a 427). Madrid, España: Castalia, 1988b.

METTMANN, W. Glossário. In: AFONSO X, O SÁBIO. Cantigas de Santa Maria. v. 4. Coimbra, Portugal: Universidade, 1972.

MICHAËLIS DE VASCONCELOS, C. Glossário do cancioneiro da ajuda. Revista usitana, XXIII. In: Cancioneiro da ajuda. v. 1. Lisboa, Portugal: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 1990. p. 1-95.

NUNES, J. J. Cantigas d’amigo dos trovadores galego-portugueses. Lisboa, Portugal: Centro do Livro Brasileiro, 1973.

NUNES, J. J. Cantigas de amor dos trovadores galego-portugueses: nova edição. Lisboa, Portugal: Centro do Livro Brasileiro, 1972.

VIEIRA, Y. F. Poesia medieval: literatura portuguesa. São Paulo: Global, 1987.

WILLIAMS, B. Do latim ao português. 3. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1973.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)