A criatividade na construção da temporalidade

Stéfano Grizzo Onofre, Marilia Blundi Onofre

Resumo


No presente artigo, pretendemos discutir que o jogo de movimentos de planos enunciativos temporais remete a um trabalho argumentativo. Para sustentar nossa discussão, analisamos um recorte de uma produção textual de vestibular que possui uma ocorrência de deslocamento enunciativo de tempo. Esses deslocamentos, deflagrados por inúmeras marcas linguísticas, são responsáveis por colocar em concorrência distintos planos enunciativos temporais. Essa constatação, embora válida, não permite o vislumbre de que a temporalidade pode fazer remissão a um jogo de noções semânticas que naturalmente não são encaradas como parte da noção de tempo. Os deslocamentos enunciativos de tempo abrem espaço para considerarmos que existe um processo de construção textual passível de ser recuperado por meio de glosas.


Palavras-chave


tempo; enunciação; atividade epilinguística

Texto completo:

PDF

Referências


ARNAULD, A.; LANCELOT, C. Gramática de Port-Royal, ou Gramática Geral e Razoada. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 2010.

BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. 31. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1987.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral I. 4. ed. Tradução de Maria Glória Novak e Luiza Neri. Campinas: Pontes, 2005.

BENVENISTE, E. Problemas de lingüística geral II. 4. ed. Tradução de Maria Glória Novak e Luiza Neri. Campinas: Pontes, 2006.

CULIOLI, A. Pour une linguistique de l’énonciation: opérations et représentations. Paris: Ophrys, v.1, 1990.

CULIOLI, A. Pour une linguistique de l’enónciation: formalisation et opérations de repérage.

Paris: Ophrys, v.2, 1999a.

CULIOLI, A. Pour une linguistique de l’enónciation: domaine notionnel. Paris: Ophrys, v.2, 1999b.

DESCARTES, R. Discurso do Método. In: Os Pensadores: Descartes. Tradução de J. Guinsburg e B. P. Junior. São Paulo: Nova Cultural, 1996. p.61-115.

FIORIN, J.L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2005.

FRANCHI, C. Criatividade e gramática. In: FRANCHI, C.; NEGRÃO, E.; MÜLLER, A. L. Mas o que é mesmo gramática? Organização de Sírio Possenti. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 11-33.

FREUD, S. Além do princípio do prazer. In: FREUD, S. obras completas. Tradução de P. C. de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LIMA, R. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1973.

LOPES, R. Estudo semântico do pretérito perfeito: variações interpretativas e regularidades de funcionamento. In: REZENDE, L.M; ONOFRE, M. (Org.) Linguagem e línguas naturais: diversidades experiencial e linguística. São Carlos: Pedro e João Editores, 2006.

MORAIS, J. A arte de ler. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora Unesp, 1996.

VIGNAUX, G. Le discours acteur du monde: enonciation, argumentation et cognition. Paris: Ophrys, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)