A variação entre ter e haver em construções existenciais na fala e na escrita da variedade riopretense: uma análise dos grupos de fatores relevantes

Carolina Sartori de Oliveira

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo geral verificar, com base em uma distribuição por tempo aparente, se na fala de São José do Rio Preto o processo de variação entre as formas ter e haver existenciais está consolidado, e, ao mesmo tempo, verificar na escrita de crianças do segundo ciclo do ensino fundamental, se ocorre o mesmo processo, ou se ocorre um processo puramente escolar de aquisição de haver existencial. O modelo que fornece suporte teórico a esta pesquisa é o da Sociolinguística Variacionista de Weinreich, Labov e Herzog (2006 [1968]).


Palavras-chave


ter existencial; haver existencial; variação linguística; mudança linguística

Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, J. Gramática, competição e padrões de variação: casos com ter/haver e de/em no português brasileiro. Rev. Est. Ling., Belo Horizonte, v. 14, n. 2, p. 99-143, jun./dez, 2006a.

AVELAR, J. De verbo funcional a verbo substantivo: uma hipótese para a supressão de haver no português brasileiro. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 49-74, 2006b.

BATISTA, P. G. Ter e Haver existenciais na fala culta de Rio de Janeiro, Salvador e Porto Alegre: do social ao linguístico. 70f. 2012. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

BECHARA, E. Gramática escolar da língua portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006, p.194-264.

CALLOU, D.; AVELAR, J. Sobre ter e haver em construções existenciais: variação e mudança no português do Brasil. Gragoatá, Niterói, n. 9, p. 85-100, 2000.

CAMACHO, R. G. O formal e o funcional na teoria variacionista. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Org.). Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003. p. 55-65.

CAMACHO, R. G. Da linguística formal à linguística social. São Paulo: Parábola, 2013.

CAMPADELLI, S. Y.; SOUZA, J. B. Português: literatura, produção de textos & gramática. São Paulo: Saraiva, 2000.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, A. C. Português: linguagens, 5a série. São Paulo:

Atual, 1998.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, A. C. Português: linguagens, 7o ano. 5. ed. São Paulo: Atual, 2009a.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, A. C. Português: linguagens, 8o ano. 5. ed. São Paulo: Atual, 2009b.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, A. C. Português: linguagens, 9o ano. 5. ed. São Paulo: Atual, 2009c.

CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, A. C. Português: Linguagens, Ensino Médio. São Paulo: Atual, 2003.

CUNHA, C. Gramática do português contemporâneo. Belo Horizonte: Bernardo Álvares S.A., 1970.

CUNHA, C. F.; CINTRA, L. F. Nova gramática do português contemporâneo. Rio de Janeiro: Lexicon, 2007.

GONÇALVES, S. C. L; TENANI, L. E. Problemas teórico-metodológicos na elaboração de um sistema de transcrição de dados interacionais: o caso do Projeto ALIP (Amostra Linguística do Interior Paulista). Gragoatá, n. 25, p.149-164, 2008.

ILARI, R.; BASSO, R. M. O verbo. In: ILARI, R.; NEVES, M. H. de M. (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil: classes de palavras e processos de construção. Campinas: Editora da Unicamp, 2008. p. 163-365.

KATO, M. A. No mundo da escrita: uma perspectiva psicolinguística. 2. ed. São Paulo: Ática, 1986.

KATO, M. A. A gramática do letrado: questões para a teoria gramatical. In: MARQUES, M. A.; KOLLER, E.; TEIXEIRA, J.; LEMOS, A. S. (Org.). Ciências da linguagem: trinta anos de investigação e ensino. Braga: CEHUM (U. do Minho), 2005. p. 131-145.

LABOV, William. Principles of linguistic change: internal factors. Oxford: Blackwell, 1994.

LIMA, R. Gramática Normativa da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986.

MARTINS, L.; CALLOU, D. Mudança em tempo aparente e em tempo real: construções ter/haver existenciais. In: ENCONTRO DO CELSUL, 5., Curitiba, 2003. Anais... p. 820-825, 2003.

TAGLIAMONTE, S. A.; ROBINSON, J. S.; LAWRENCE, H. R. GOLDVARB 2001: a multivariate analysis application for Windows. 2001.

VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. Ter/haver existenciais na escrita de alunos de 5a e 6a séries do Ensino Fundamental da cidade de Maracanaú/CE. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, v. 5, n. 9, ago. 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br].

VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. Ter/haver existenciais na escrita de alunos dos ensinos fundamental e médio da cidade de Maceió/AL. 117f. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística: Linguística) – Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2008.

VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. Aquisição e variação dos verbos ter e haver existenciais no PB. Veredas on line, Juiz de Fora, Atemática, 1/2010, p. 53-63, 2010.

VITÓRIO, Elyne G. S. L. A. A alternância ter/haver existenciais na fala Maceioense. Revista Interdisciplinar, Sergipe, v. 14, n. 8, p. 77-85, jul./dez. 2011.

WEINRICH, Harald. Estructura y función de los tiempos en el lenguaje. Madrid: Gredos, 1968.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de M. Bagno; rev. C. A. Faraco. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1968].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)