Representações de “cadeia” em discursos de detentas do Presídio Feminino de Três Lagoas-MS: disciplina e/ou relações de poder?

Daniele Cristina Scaliante

Resumo


Este trabalho objetiva apontar as relações de poder em cartas de detentas do Presídio Feminino de Três Lagoas-MS, interpretando possíveis representações de “cadeia”. Para tanto, o procedimento metodológico consta da análise de excertos das cartas selecionadas, conforme nossos objetivos. O arcabouço teórico é fundamentado na Análise do Discurso de linha francesa, pelas contribuições de Coracini (2003, 2007) sobre identidade, e, ainda, nos pressupostos do filósofo Foucault (1979, 2006b, 2012) sobre relações de poder, subjetividade, escrita de si e disciplina. A análise indica que nas/pelas representações de “cadeia”, as mulheres detentas se veem num lugar de exclusão, deixando, via escrita de si, marcas de subjetividade por lapsos e contradições.


Palavras-chave


Análise do Discurso; relações de poder; detentas; escrita de si

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

BRASIL. Senado Federal. Lei n. 7.210/84. Lei de Execução Penal. Brasília: Senado Federal, 2009. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm> Acesso em: 14 out. 2013.

CORACINI, M. J. R. F. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas: Editora da Unicamp; Chapecó: Argos Editora Universitária, 2003.

CORACINI, M. J. R. F. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

FERREIRA, T. Dos porquês: do teatro, das crianças, da escola, do modo de escrita. Por quê?!?. In: SKLIAR, C. (Org.). Derrida & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 83-96.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução e organização de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 20. ed. São Paulo: Loyola, 1995.

FOUCAULT, M. Estratégia, poder-saber. Organização de Manoel Barros da Motta; tradução de Vera Lucia Avellar Ribeiro. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006a. [Ditos e Escritos, IV].

FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Organização de Manoel Barros da Motta; tradução de Elisa Monteiro, Inês Autran Dourado Barbosa. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006b. (Ditos e Escritos, V).

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 40. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

MAIA, M. C. G. O lapso de escrita como refúgio do sujeito. In: MARIANI, B. (Org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise do discurso e em psicanálise. São Carlos: Claraluz, 2006. p. 31-44.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 10. ed. Campinas: Pontes Editores, 2012.

REIS, V. S. Representações e deslocamentos no diário de aprendizagem de língua estrangeira: uma escrita de si para o outro. In: ECKERT-HOFF, B. M.; CORACINI, M. J. R. F. (Org.). Escrit(ur)a de si e alteridade no espaço papel-tela: alfabetização, formação de professores, línguas materna e estrangeira. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 137-163.

SIMÕES, V. F. N. Filhos do cárcere: limites e possibilidades de garantir os direitos fundamentais dos filhos das mulheres privadas de liberdade no Brasil. Porto Alegre: Núria Fabris Editora, 2013.

UYENO, E. Y. Escrita mal escrita ou mal-estar da escrita? A inelutável escrita de si. In: ECKERT-HOFF, B. M.; CORACINI, M. J. R. F. (Org.). Escrit(ur)a de si e alteridade no espaço papel-tela: alfabetização, formação de professores, línguas materna e estrangeira. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 121-136.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)