O tempo e a memória na narrativa sveviana

Amanda Miotto Muniz

Resumo


O presente trabalho tem por objetivo analisar o tempo e a memória na narrativa de Svevo, concentrando-se em seu primeiro romance Uma Vida e no conto “Curta Viagem Sentimental” (Corto Viaggio Sentimentale), os quais manifestam um olhar sobre a centralidade do tempo, não só na constituição dos horizontes de compreensão do real propriamente humano, mas também ao apresentar uma noção mais precisa do vínculo indissolúvel que existe entre temporalidade, memória e escrita literária. O desdobrar de várias categorias conceituais relacionadas a várias dimensões do tempo parece apontar para a manutenção da validade do ponto de vista sobre a relação literatura e sociedade.


Palavras-chave


tempo; memória; narrativa; Svevo.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: teoria do romance. São Paulo: UNESP, 2002. p. 71-210.

BARTHES, R. Crítica e Verdade. São Paulo: Perspectiva, 1970. p. 43-70.

BINNI, W. La polemica sul “Caso Svevo” e i primi approfondimenti critici: dal Montale al Devoto, da Fogazzarro a Moravia – i classici italiani nella storia della critica. Firenze: Nuova Italia, 1977. p. 136-149. v. III.

BOTTI, F. P. et al. Il secondo Svevo. Napoli: Liguori, 1982. p. 13-37.

BUCCHERI, M.; COSTA, E. Italo Svevo tra moderno e postmoderno. Ravenna: Longo Editore, 1995. p. 30-83.

CARVALHO, A. L. C. Foco narrativo e fluxo da consciência: questões de teoria literária. São Paulo: Pioneira, 1981. p. 56-72.

CEPACH, R. (org.). Guarire dalla cura: Italo Svevo e i medici. Trieste: Museo Sveviano, 2008. p. 135-184.

CONTINI, G. Il quarto romanzo di Svevo. Torino: Guilio Einaudi Editore, 1980. p. 21-46.

FREUD, S. Cinco lições de psicanálise e outros estudos. Tradução de Durval de Vasconcelos et al. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p. 38-213.

FREUD, S. Rascunho E. In: FREUD, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 1. Rio de Janeiro: Imago, 1978. p. 1-36.

GHIDETTI, E. Italo Svevo: La coscienza di un borghese triestino. Roma: Riuniti, 1992. p. 11-65.

GIUDICE, A.; BRUNI, G. Problemi e scrittori della letteratura italiana. Torino: Paravia, 1973. p. 21-56.

LEJEUNE, P. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008. p. 32-47.

NUNES, B. O tempo da narrativa. 2 ed. São Paulo: Ática, 1995. p. 27-73.

PAZZAGLIA, M. Scrittori e critici della letteratura italiana: ottocento e novecento antologia com pagine critiche e um profilo di storia letteraria. 3. ed. Bologna: Zanichelli, 1992. p. 62-120.

REIS, C.; LOPES, A. C. M. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

RICOEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. São Paulo: Editora da UNICAMP, 2008. 3 tomos.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. Tradução de Roberto Leal Ferreira. Campinas: Papirus, 1994. 3 tomos.

ROQUE, A. S. S. Minha consciência daria um romance: O personagem sujeito do (ao) inconsciente na interface Literatura e Psicanálise. São Paulo: Editora UNESP, 2011. p.71-80.

ROSA, A. A. Storia della letteratura italiana del novecento. Firenze: La Nuova Italia, 1985. p. 21-50.

ROSENFELD, A. Texto/contexto. São Paulo: Perspectiva, 1985. p. 85-126.

SCHOLES, R.; KELLOGG, R. A natureza da narrativa. Tradução de Gert Meyer. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1977. p. 37-65.

SPAGNOLETTI, G. Storia della leterattura italiana del novecento. Milano: Newton, 1994. p. 113-165.

STASI, B. Svevo: profili di storia letteraria. Bologna: Il Mulino, 2009. p. 18-60.

SVEVO, I. Uma vida. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Nova Alexandria, 1993. p. 37-50.

SVEVO, I. Tutti i romanzi e i racconti. Roma: Newton, 1991. p. 830-898.

VOLPATO, S.; CEPACH, R. Alla peggio andrò in Biblioteca: i libri ritrovati di Italo svevo. Macerata: Bibiohaus, 2013. p. 112-123.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.608

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)