Heterogeneidade e humor em videomontagens do YouTube

Ligia Araujo

Resumo


Dilma e Lula, candidatos às eleições presidenciais de 2006 e 2010, são os alvos do discurso humorístico derrisório em videomontagens do YouTube que constituem nosso corpus de análise. Estamos embasados teoricamente na heterogeneidade enunciativa, todavia acreditamos que quando se trata de um Outro satírico que é trazido para o fio do discurso, esse discurso satírico se apresenta sempre dissimulado nos traços do interdiscurso. Desse modo, defendemos que, para se pensar a derrisão do político em suportes como o YouTube, a noção de heterogeneidade possa ser pensada como heterogeneidade dissimulada (BARONAS, 2005) que se diferencia da constitutiva, da mostrada marcada e da não marcada de Authier-Revuz (1990). Isso porque não se trata de uma negociação em que o discurso do Eu delimita ou denega o discurso do Outro, mas uma tentativa de apagamento desse discurso Outro por meio de uma interincompreensão regrada, ou seja, esse discurso Outro é traduzido para o discurso do Mesmo, o próprio Eu que se defronta com o Outro, por meio da construção de um simulacro do discurso primeiro (MAINGUENEAU, 2007). 


Palavras-chave


humor; derrisão; heterogeneidade; simulacro.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. Diferença e Desigualdade em leitura. In: MARINHO, M. (org.). Ler e Navegar: espaços e percursos da leitura. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p. 139-157.

ABREU, M. Literatura, leitura, cultura. In:______. Cultura Letrada: literatura e leitura. São Paulo: Editora Unesp, 2006. p. 9- 41.

ARAUJO, L. M. B. M. Política e derrisão no YouTube: uma leitura discursiva. 2011, 120 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Centro de Ciências Humanas e Educação, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidades enunciativas. In: Cadernos de estudos lingüísticos, 19. Campinas: IEL, 1990. p. 25-42.

AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Apres. Marlene Teixeira. Revisão da trad. Leci Barbisan e Valdir Flores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. 257 p.

BAYARD, P. Como falar dos livros que não lemos? Rio de Janeiro: Objetiva, 2007. 208 p .

BARONAS, R. Notas breves sobre a derrisão no gênero do discurso fotografia. In: Polifonia. Cuiabá: EDUFMT, v. 2, p. 1-11, 2004.

BARONAS, R. Derrisão: um caso de heterogeneidade dissimulada. In: Revista Polifonia. Cuiabá, EDUFMT, p. 99-111, 2005.

BARONAS, R.; KOSCIURESKI, M. Observações sobre a textualização do “sic” no discurso político: marcas de derrisão. In: NAVARRO, P. (org.). Estudos do Texto e do Discurso. São Carlos: Claraluz, 2006. p. 229-242.

BONNAFOUS, S. Sobre o bom uso da derrisão em J. M. Le Pen. Tradução de Rosário Gregolin e Fábio Montanheiro. In: GREGOLIN. M. R. (org.). Discurso e Mídia: a cultura do espetáculo. São Carlos: Claraluz, 2003. p. 35-48.

BRITTO, L. P. Leitura e Participação. In: ______. Contra o consenso: cultura escrita, educação e participação. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 99-114.

BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube e a Revolução Digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. Tradução de Ricardo Giassetti. São Paulo: Aleph, 2009. 239 p.

CHARAUDEAU, P. Discurso Político. Tradução de Fabiana Komesu e Dilson da Cruz. São Paulo: Contexto, 2008. 328 p.

Direto ao assunto: Episódio #02 – Literatura. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

Lula Bebum. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2015.

MACHADO, I. Uma analista do discurso face aos ditos de dois políticos: narrativas de vida que se entrecruzam. EID&A – Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n.3, p.68-8, nov. 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2015.

MACHADO, I. A ironia como estratégia comunicativa e argumentativa. In: Bakhtiniana – Revista de Estudos do Discurso, Lael/PUC, São Paulo, n. 9, p. 108-128, jan./jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 fev. 2015.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos Discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba: Criar, 2007. 189 p.

MAINGUENEAU, D. Discurso e Análise do Discurso. Tradução de Sírio Possenti. São Paulo: Parábola, 2015. 189 p.

MCLUHAN, M. Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem. 12. ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

ORLANDI, E. Maio de 1968: Os Silêncios da Memória. Tradução de José Nunes. In.: ACHARD, P. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 2007. p. 59-69.

SALMON, C. Storytelling: La machine à fabriquer des histoires et à formater les esprits. Paris: Editions de La Découverte, 2007. 252 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.636

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)