A voz gutural e o death metal: regularidades estereotípicas na constituição de possíveis ethé

Lucas Martins Gama Khalil

Resumo


Este trabalho analisa alguns dos efeitos de sentido engendrados por uma específica constituição discursiva de canções do gênero musical death metal, em relação, por exemplo, à qualidade da voz empregada pelos vocalistas. O teor obscuro, animalizado e distorcido desse tipo de voz, denominada gutural, constitui um dos elementos de linguagem que, em aliança com outras materialidades (letras, capas dos álbuns, performances etc.), legitima os efeitos de sentido a serem produzidos na circulação das canções. Com base em propostas teóricas de Dominique Maingueneau, assumimos a hipótese de que a emergência do modo de enunciação do death metal não é mera “escolha estilística”, mas sim uma decorrência do modo como a prática discursiva instituída nesse gênero musical, recorrendo a estereótipos cristalizados no decorrer da história, gere os ethé dos enunciadores das canções.


Palavras-chave


Análise do Discurso; estereótipo; ethos; death metal.

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In: ______ (org.). Imagens de si no discurso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013. p. 119-144.

BOYER, H. Stéréotype, emblème, mythe. Mots, Lyon, v.1, n.88, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2015.

CÁCERES, P. A. C. As representações do Diabo no imaginário dos fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus. 2006. 143 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Departamento de Filosofia e Teologia, Universidade Católica de Goiás, Goiânia.

CHARAUDEAU, P. Les stéréotypes, c’est bien. Les imaginaires, c’est mieux. In : BOYER, H. (dir.). Stéréotypage, stéréotypes: fonctionnements ordinaires et mises en scène. Paris: L’ Harmattan, 2007. p. 23-28.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987. 222 p.

DUNN, S. Lands of fire and ice: an exploration of death metal scenes. In: Art, culture and ideas. Toronto, n.29, p. 106-125, 2004.

HARRIS, K. Extreme Metal: music and culture on the edge. New York: Berg, 2007. 224 p.

LABAN, R. Musica Rock y Satanismo. Cidade do México: Arco Iris, 1989. 160 p.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (orgs.). Ethos discursivo. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015. p. 11-32.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. Tradução de Adail Sobral. São Paulo: Contexto, 2006. 329 p.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia e incorporação. In: AMOSSY, R (org.). Imagens de si no discurso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013. p. 69-92.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do Discurso. 3. ed. Campinas: Pontes, 1997. 197 p.

NOGUEIRA, C. R. O Diabo no imaginário cristão. 2. ed. Bauru: EDUSC, 2002. 126 p.

O’GRADY, J. Satã: O príncipe das trevas. Tradução de José Antonio Ceschin. São Paulo: Mercuryo, 1991. 189 p.

OLIVA, A. S. A história do diabo no Brasil. São Paulo: Fonte Editorial, 2007. 288 p.

PEREIRA, M. E. Psicologia Social dos Estereótipos. São Paulo: E.P.U., 2002. 202 p.

SARAMAGO, J. O evangelho segundo Jesus Cristo. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 448 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.661

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)