Primeiros estudos funcionalistas sobre a repetição na oralidade no Corpus Português Culto de Vitória da Conquista

Lorenna Oliveira dos Santos

Resumo


Neste artigo, estudaremos um fenômeno linguístico frequentemente utilizado na oralidade, a repetição. Para tal estudo, basear-nos-emos, principalmente, nos estudos Funcionalistas propostos por Castilho (1994), Givón (1995) e Oliveira (1998), com o objetivo de caracterizar as estruturas repetidas, identificando-as quanto à forma e à função e demonstrando como elas são regidas pelos princípios de iconicidade e de marcação expressiva. Para tanto, retiraremos, do Corpus Português Culto de Vitória da Conquista, ocorrências de elementos lexicais, sintagmáticos e oracionais e os classificaremos segundo os seguintes aspectos funcionais: a enumeração, a paralelização e o reforço.


Palavras-chave


Funcionalismo; oralidade; repetição.

Texto completo:

PDF

Referências


AREAS, E. K.; MARTELOTTA, M. E. A visão funcionalista da linguagem no século XX. In: MARTELOTTA, M. E.; OLIVEIRA, M. R. de; CUNHA, M. A. F. da. Lingüística funcional: teoria e prática. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 18-55.

CASTILHO, A. T. de. Um ponto de vista funcional sobre a predicação. In: ALFA: Revista de Linguística. São Paulo: UNESP, v.38, p.75-96, 1994.

CASTILHO, A. T. Gramática do Português Brasileiro. 1. ed. 3. reimp. São Paulo: Contexto, 2014. p. 232-233.

CUNHA, A. F. da. Funcionalismo. In: MARTELOTTA, M. E. et al. (orgs.). Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2015. p. 158-176.

DUBOIS, S.; VOTRE, S. Análise modular e princípios subjacentes do funcionalismo linguístico: à procura da essência da linguagem. Impresso, 1994.

GIVÓN, T. Topic continuity in discourse: quantitative cross-language studies. Amsterdam: John Benjamins, 1983. p.113-141.

GIVÓN, T. Functionalism and grammar. Amsterdã: John Benjamins, 1995. p. 93-110.

KOCH, I. G. V. Aspectos do processamento do fluxo de informação do discurso oral dialogado. In: CASTILHO, A. T. de (org.). Gramática do Português falado. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990. p. 143-184.

LIMA-HERNANDES, M. C. A evolução da gramática e o aporte funcionalista bases teóricas. In: ______. Indivíduo, sociedade e língua: Cara, tipo assim, fala sério. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp, 2011. p. 21-22.

MARCUSCHI, L. A. Repetição. In: JUBRAN, C. C. A. S.; KOCH, I. G. V. (orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil: construção do texto falado. v.1. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006. p. 219-254.

MARCUSCHI, L. A. A Repetição na língua falada como estratégia de formulação textual. In: KOCH, I. G. V. (org.). Gramática do Português Falado. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002. p. 95-129.

NEVES, M. H. de M. A gramática funcional. São Paulo: Martins: Fontes, 1997. p. 99-142.

NEVES, M. H. de M. A gramática passada a limpo: conceitos, análises e parâmetros. São Paulo: Parábola Editorial, 2012. p. 48-80.

OLIVEIRA, M. R. de. Gramaticalização na repetição. In: MARTELOTA, M. E.; VOTRE, S. J.; CEZÁRIO, M. M. Gramaticalização no português do Brasil: uma abordagem funcional. Rio de Janeiro. Tempo Brasileiro, 1996. p. 147-165.

OLIVEIRA, M. R. de. Repetição em diálogos: análise funcional da conversão. Niterói: EDUFF, 1998. p. 15-175.

SILVA, J. A. A.; SOUSA, V. V. Português culto de Vitória da Conquista. 2013. Projeto do Grupo de Pesquisa em Linguística Histórica e Grupo de Pesquisa em Sociofuncionalismo – UESB, 2013.

SILVA, V. L. P. Desfazendo um mito: a repetição na escrita e suas funções. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (org.). Português Brasileiro II: contato linguístico, heterogeneidade e história. Niterói: EDUFF, 2008. p. 334-344.

TAVARES, M. A. A Gramaticalização de E, Aí, Daí e Então: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. 2003. 307 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i1.665

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)