Clíticos pronominais em gêneros jornalísticos escritos das variedades europeia e brasileira do português: (re)discutindo a atuação dos fatores condicionantes linguísticos

Caroline Carnielli Biazolli

Resumo


Fundamentado na Teoria da Variação e Mudança Linguísticas, este artigo pretende examinar a variação na posição de clíticos pronominais adjungidos a complexos verbais, sempre que presentes nos gêneros jornalísticos carta do leitor e editorial. Para a coleta dos dados, utilizam-se os jornais Público e O Estado de São Paulo, referentes respectivamente ao português europeu e ao português brasileiro, produzidos no período de 2001 a 2010. Deve-se verificar como as variantes previstas se distribuem nesses textos e se há consideráveis diferenças entre os dados provenientes de cada uma das variedades aqui estudadas. Para isso, neste momento, avalia-se a atuação de determinados fatores condicionantes linguísticos potencialmente responsáveis por essa variação – a saber: tipo de clítico, formas verbais do primeiro e do segundo verbo do complexo e tipo de complexo verbal.


Palavras-chave


clíticos pronominais; complexos verbais; fatores condicionantes linguísticos; gêneros jornalísticos; variação linguística.

Texto completo:

PDF

Referências


BERLINCK, R. de A.; BIAZOLLI, C. C. Clíticos e preposições: a norma e o 'normal' em jornais paulistas (1900 a 1915). Estudos Linguísticos, v. 40, n. 2, p. 850-863, 2011.

BIAZOLLI, C. C. Clíticos pronominais no português de São Paulo: 1880 a 1920 – uma análise sócio-histórico-linguística. 2010. 230 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

DUARTE, I. Relações gramaticais, esquemas relacionais e ordem de palavras. In: MATEUS, M. H. M. et al. (Orgs.). Gramática da língua portuguesa. 6. ed. Lisboa: Caminho, 2003[1983]. p. 275-321.

GALVES, C.; BRITTO, H.; PAIXÃO DE SOUSA, M. C. The Change in Clitic Placement from Classical to Modern European Portuguese: Results from the Tycho Brahe Corpus. Journal of Portuguese Linguistics, v. 4, n. 1, p. 39-67, 2005.

GONÇALVES, A.; COSTA, T. da. (Auxiliar a) Compreender os verbos auxiliares: descrição e implicações para o ensino do português como língua materna. Lisboa: Colibri, 2002. 137 p.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2008[1972]. 392 p.

LABOV, W. Building on Empirical Foundations. In: LEHMANN, W. P.; MALKIEL, Y. (Eds.). Perspectives on Historical Linguistics. Philadelphia: John Benjamins Publishing, 1982. p. 17-92.

LOBO, T. C. F. Para uma sociolinguística histórica do português no Brasil: edição filológica e análise linguística de cartas particulares do Recôncavo da Bahia, século XIX. 2001. 4 v. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MARTINS, A. M. Clíticos na história do português. 1994. 628 f. Tese (Doutorado em Linguística Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2004. 175 p.

PAGOTTO, E. G. A posição dos clíticos em português: um estudo diacrônico. 1992. 168 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PETERSON, M. S. A ordem dos clíticos pronominais em lexias verbais simples e complexas em cartas de leitor: uma contribuição da Sociolinguística Variacionista. 2010. 210 f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

RAPOSO, E. B. P. Verbos auxiliares. In: ______. et al. (Orgs.). Gramática do português. v. II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013. p. 1221-1281.

SANKOFF, D. et al. GoldVarb X: a variable rule application for Macintosh and Windows. 2005. Disponível em: . Acesso em: 09 fev. 2015.

SARAIVA, L. M. S. A colocação dos pronomes átonos na escrita culta do domínio jornalístico e nos inquéritos do Projeto NURC: uma análise contrastiva. 2008. 108 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

SCHEI, A. A colocação pronominal do português brasileiro: a língua literária contemporânea. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP, 2003. 281 p.

VIEIRA, S. R. Colocação pronominal nas variedades européia, brasileira e moçambicana: para a definição da natureza do clítico em português. 2002. 441 f. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

WEINREICH, V.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2006[1968]. 151 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i1.707

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)