Intimidade sexual e amorosa no discurso da música carnavalesca baiana

Sidiney Menezes Gerônimo

Resumo


Este artigo realiza uma análise discursiva da intimidade sexual e amorosa impregnada no discurso da música carnavalesca baiana denominada axé music, pagode baiano e pagofunk. Um conjunto representativo de canções, colhidas entre 2012 e 2013 em sites que as disponibilizam aos internautas, constitui o corpus do estudo. A Análise de Discurso desenvolvida por Michel Pêcheux (2009) e a Ontologia do ser social formulada por György Lukács (2013) são os territórios teóricos que orientam o trabalho analítico e o inscrevem no continente do materialismo histórico. O discurso musical analisado impregna a intimidade sexual e amorosa com os sentidos da ideologia hedonista e eudemonista idealizada pela sociedade capitalista. A análise atravessou a opacidade do discurso e revelou os limites da alternativa hedonista/eudemonista.


Palavras-chave


discurso musical; intimidade sexual e amorosa; ideologia hedonista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, L. G. Danças maliciosas: construindo a feminilidade na infância. Anais do XVI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do Esporte. Salvador/Bahia/Brasil, 20 a 25 de 2009. p. 01-09.

BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. 199 p.

BAKHTIN, M. (V. N. Volochínov). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 14. ed. Hucitec, 2010. 203 p.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 15. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988. 152 p.

GAY, P. As duas correntes do amor. In: ______. A paixão terna: a experiência burguesa, da rainha Vitória a Freud. Tradução de Per Salter. São Paulo: Companhia da Letras, 1990. Cap. I, p. 45-87.

LEITE JR., J. A pornografia contemporânea e a estética do grotesco. Revista (in)visível pornografia, Ed. Zero, p. 10-23, set. 2011.

LUKÁCS, G. O trabalho. In: LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. Tradução de Nélio Schneider, Ivo Tonet, Ronaldo Vielmi Fortes. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013. Cap. I, p. 41-157.

LUKÁCS, G. A reprodução. In: LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social II. Tradução de Nélio Schneider, Ivo Tonet, Ronaldo Vielmi Fortes. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2013. Cap. II, p. 159-354.

MAINGUENEAU, D. O discurso pornográfico. Tradução de Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. 134 p.

MARX, K. O processo de trabalho e o processo de valorização. In: MARX, K. O capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boi Tempo, 2013. Cap. V, p. 255-275.

ONFRAY, M. A arte de ter prazer: por um materialismo hedonista. Tradução de Monica Sthael. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 319 p.

ORLANDI, E. P. Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. 5. ed. Campinas: Pontes Editores, 2007. 156 p.

ORLANDI, E. O sentido dominante: a literalidade como produto da história. In: ORLANDI, E. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 6. ed. Campinas: Pontes Editores, 2011. p. 135-147.

PLATÃO. O banquete. Tradução de Maria Teresa Schiappa de Azevedo. Lisboa: Edições 70, 2001. 103 p.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi et al. 4. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2009. 287 p.

RODRIGUES, D. Gostoso é até embaixo: a estética pornô no pagode baiano. Revista (in)visível pornografia, Ed. Zero, p. 122-125, set. 2011.

TINHORÃO, J. R. História social da música popular brasileira. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010. 381 p.

A roda. In: . Acesso em: 09 out. 2013.

Bahia é carnaval. In: . Acesso em: 15 nov. 2013.

Estrela primeira. In: . Acesso em: 15 nov. 2013.

Firme e forte. In: . Acesso em: 10 dez. 2013.

Fricote. In: . Acesso em: 09 out. 2013.

Haja amor. In: . Acesso em: 09 out. 2013.

Jeito diferente. In: . Acesso em:15 nov. 2013.

Odé e Adão. In: . Acesso em:09 out. 2013.

Piroca no peito. In: . Acesso em:16 jan. 2014.

Segure o Tchan. In: . Acesso em:10 dez. 2013.

Se você quer, tome tome. In: . Acesso em: 10 dez. 2013.

Sou periferia. In: . Acesso em: 10 dez. 2013.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.761

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)