Garotas de programa e o entre-lugar discursivo

Mirielly Ferraça

Resumo


Para pensar a tensão e o conflito que constituem a linguagem, parte-se de entrevistas realizadas com garotas de programa em 2012, em uma boate de Cascavel, com o consentimento e aprovação do Comitê de Ética. A partir do corpus, percebe-se que o discurso das garotas de programa é enredado por contradições, fruto do cruzamento de diferentes formações discursivas e do embate discursivo das posições ocupadas, mãe e prostituta. As contradições as colocam numa espécie de entre-lugar, permitindo que o sujeito se constitua e faça parte de ambas as posições, sem desmoronar discursivamente. Assim, neste trabalho, o conceito de formação discursiva é retomado na tentativa de movimentar seu percurso teórico, pensando no movimento de aproximação com o conceito de entre-lugar, de Silviano Santiago, mas no campo discursivo.


Palavras-chave


entrevistas; garotas de programa; discurso.

Texto completo:

PDF

Referências


CHAROLLES, M. Introdução aos problemas da coerência dos textos: abordagem teórica e estudo das práticas pedagógicas. In: ______. Texto, Leitura e Escrita. Organização e Revisão Técnica da tradução: Charlotte Galves, Eni Orlandi, Paulo Otoni. Campinas: Pontes, 1997, p. 39-85.

DAMATTA, R. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. 163 p.

HAROCHE, C.; HENRY, P.; PÊCHEUX, M. A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso. Tradução de Roberto Leiser Baronas e Fábio César Montanheiro. Linguasagem, São Carlos, ed. 03. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

LAGAZZI, S. O desafio de dizer não. Campinas: Pontes, 1988. 101 p.

MALDIDIER, D. A Inquietação do Discurso: (re)ler Michel Pêcheux hoje. Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 2003. 110 p.

ORLANDI, E. Discurso em Análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes Editores, 2012. 239 p.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. 2. ed. Campinas: Pontes, 2008. 68 p.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5. ed. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da UNICAMP, 2014. 287 p.

PÊCHEUX, M. A análise de discurso: três épocas. In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani. 4. ed. Campinas: Editora UNICAMP, 2010. p. 307-315.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Bethania S. Mariani. 4. ed. Campinas: Editora UNICAMP, 2010. p. 159-249.

ROSA, J. G. A terceira margem do rio. In: ______. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1978, p. 31-37.

SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. 219 p.

VAZQUEZ, A. S. Ética. 14. ed. Tradução de João Dell’Anna. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 1993. 267 p.

ZOPPI-FONTANA, M. Identidades (in)formais: contradição, processos de designação e subjetivação na diferença. Revista Organon, UFRGS, v. 17, n. 35, p. 245-282, 2003.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.786

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)