A Fundação de Krig-ha: o modo de constituição da paratopia no gibi-manifesto de Raul Seixas e Paulo Coelho

Bruno de Sousa Figueira

Resumo


O presente artigo objetiva analisar, sob a perspectiva teórica da Análise do Discurso, sobretudo a partir das noções teóricas propostas por Dominique Maingueneau em Discurso Literário (2006), o modo pelo qual se constitui a paratopia no gibi-manifesto A fundação de Krig-ha, de autoria de Raul Seixas e Paulo Coelho, com ilustrações de Adalgisa Rios. Pode-se perceber no gibi a emergência de um ethos messiânico/místico, cenografias que também fazem alusão a uma enunciação mística e o uso de um código de linguagem igualmente esotérico, elementos da enunciação que funcionam como embreantes paratópicos e atuam no funcionamento da paratopia no gibi-manifesto.


Palavras-chave


Análise do Discurso; paratopia; ethos.

Texto completo:

PDF

Referências


COSTA, N. B. da. Música popular, linguagem e sociedade: analisando o discurso literomusical brasileiro. Curitiba: Appris, 2012. 363 p.

MAINGUENEAU, D. Discurso literário. São Paulo: Contexto, 2006. 329 p.

O COLETIVO libertário. Órgão de divulgação do anarkismo. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2015.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes. 2002. 68 p.

SEIXAS, R.; COELHO, P.; RIOS, A. A Fundação de Krig-ha. Gibi-manifesto, 31 jul. 1973. 16 p.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v45i3.799

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)