A expressão da evidencialidade no gênero jornalístico

Fabiana Pirotta Camargo Lourenço, Flávia Bezerra de Menezes Hirata-Vale

Resumo


A evidencialidade é uma categoria de caráter semântico-pragmático, que se refere à expressão da fonte da informação do enunciado. Considera-se que os evidenciais se relacionam à modalidade epistêmica uma vez que qualificam a validade da informação, indicando as fontes de que o falante dispõe. Pode-se dizer então que operam no campo do conhecimento e manifestam o comprometimento do falante com relação ao enunciado. Os tipos de qualificação evidencial são: evidencialidade direta e indireta (inferida ou reportativa). O objetivo deste trabalho, portanto, é o de descrever, fundamentando-se em pressupostos funcionalistas, os expedientes de marcação da evidencialidade no português do Brasil, especialmente em gêneros jornalísticos como editorial, notícia e artigo de opinião, coletados de edições do jornal Folha de S.Paulo.


Palavras-chave


evidencialidade; gênero; funcionalismo; subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


AIKHENVALD, A.I.Y. Evidentiality.Oxford: Oxford University Press, 2004.

BONINI, A. Os gêneros do jornal. In: KARWOSKI, A.M., GAYDECZKA, B.; BRITO, K.S. Gêneros textuais: reflexões e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2006.

BOTNE, R. Evidentiality and epistemic modality in Lega. Studies in Language, Amsterdam, v. 21, n. 3, p. 509-532, 1997.

CHAFE, W.; NICHOLS, J. (Ed.). Evidentiality: the linguistic coding of epistemology. Norwood, New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1986.

COUTINHO, A. Schematisation (discursive) et disposition (textuelle). In: ADAM, J. M.; GRIZE, J. B.; BOUACHA, M. A. (Org.). Texte et discours: categories pour l’analyse. Dijon: Editions Universitaires de Dijon, 2004. p. 29-42.

DALL’AGLIO-HATTNHER, M. M. Evidencialidade e modalidade: forma e função. São Paulo: Fapesp, 2001. (Relatório de pesquisa).

DALL’AGLIO-HATTNHER, M. M. Pesquisas em sintaxe: a abordagemfuncionalista da evidencialidade. In: MASSINICAGLIARI, Gladis; BERLINK, Rosane; GUEDES, Marymarcia; OLIVEIRA, Taísa Peres de (Org.). Trilhas de Mattoso Câmara e outras trilhas: fonologia, morfologia e sintaxe. Araraquara: Cultura Acadêmica Editora, 2007. v. 12, p. 103-145.

DIK, S. The theory of functional grammar. Pt 1. The structure of the clause. Dordrecht: Foris Publications, 1989.

GIVÓN, T. Evidentiality and epistemic space. Studies in Language, Amsterdam, v. 6, p. 23-49, 1982.

HENGEVELD, K; MACKENZIE, L. Functional Discourse Grammar. Oxford: Oxford University Press, 2008.

LYONS, J. Semantics. Cambridge: Cambridge University Press, 1977. v. 1.

MARCUSCHI, L. A. Produçãotextual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

NAGAMURA, G. H. Análise da evidencialidade no discurso da auto-ajuda da saúde. (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2011.

NUYTS, J. Epistemic modal adverbs and adjectives and the layered representation of conceptual and linguistic structure. Linguistics, Hawthorne, v. 31, p. 933-969, 1993.

NUYTS, J. Epistemic modal qualifications: on their linguistic and conceptual structure. Antwerp Papers in Linguistics, Wilrijk, v. 8, 1994.

NUYTS, J. Subjectivity as an evidential dimension in epistemic modal expressions. Journal of Pragmatics, Amsterdam, v. 33, n. 3, p. 383-400, 2001.

VAN VALIN, R. D. JR.; LA POLLA, R. J. Syntax: structure, meaning and function. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

VENDRAME, V. Os verbos de percepção ver, ouvir e sentir e a expressão da evidencialidade em língua portuguesa. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) –Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São José do Rio Preto, 2010.

WILLET, T. A cross-linguistic survey of the grammaticalization of evidentiality. Studies in Language, Dordrecht, v. 12, n. 1, p. 51-97, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)