Tópico em posição pós-verbal no português brasileiro

Fernanda Rosa da Silva

Resumo


Este artigo procura investigar as inferências semânticas e pragmáticas de contextos do português brasileiro (PB) que contenham constituintes com função informacional de tópico em posição posterior ao verbo da sentença. Mais precisamente, esta pesquisa procura responder às seguintes questões: (i) Em PB é possível uma estrutura de tópico pós-verbal? (ii) Quais as estratégias do discurso ocorrem nesse tipo de resposta? (iii) Por que o falante opta por utilizar uma estrutura com o sujeito na posição pós-verbal?


Palavras-chave


Tópico; Deslocamento à Direita; Estratégias do Discurso; Estrutura Informacional

Texto completo:

PDF

Referências


BÜRING, D. Topic. In: BOSCH, P.; VAN DER SANDT, R. (Ed.) Focus: Linguistic, Cognitive, and Computation Perspectives. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 142-165.

BÜRING, D. On D-trees, beans, and B-accents. Linguistics & Philosophy, n. 26, v. 5, p. 511-545, 2003.

CARLSON, L. Dialogue Games: An approach to discourse analysis. Dordrecht, Holland: D. Reidel Publishing Company, 1983.

CHOMSKY, N. Deep Structure, Surface Structure and Semantic Interpretation. In: STEINBERG, D.; JAKOBSON L. (Ed.) Semantics: An Interdisciplinary Reader in Philosophy, Linguistics and Psychology. Cambridge: Cambridge University Press, 1971. p. 183-216.

COSTA, J. Word order and discourse confi gurationality in European Portuguese. In: COSTA, J. (Ed.). Portuguese Syntax: New comparatives Studies. Oxford University Press, 2000. p. 94-115.

ERTESCHIK-SHIR, N. Information Structure: The Syntax-Discourse Interface. Oxford: Oxford University Press, 2007.

GROENENDIJK, J.; STOKHOF, M. Studies on the Semantics of Questions and the Pragmatics of Answers. Tese (Doutorado) – University of Amsterdam, Amsterdam, 1984.

HAMBLIN, C. Questions in Montague English. Foundations of Language, v. 10, p. 41-53, 1973. (Reprinted in Partee. B. (ed.) (1976) Montague Grammar, Texas: University of Texas Press).

KATO, M. A. A restrição de monoargumentalidade da ordem VS no português do Brasil. Fórum Linguístico, n. 2, p. 97-127, out./dez. 2000.

PEZZATTI, E. G. A ordem de palavras e o caráter nominativo/ergativo do português falado. Alfa, São Paulo, n. 37, p. 159-178, 1993.

ROBERTS, C. Information Structure in Discourse: Towards an Integrated Formal Theory of Pragmatics. In: YOON, J. H.; KATHOL, A. (Ed.) OSU Working Papers in Linguistics 49: Papers in Semantics, 1996. p. 91-136.

STALNAKER, R. Assertion. In: COLE, P. (Ed.) Pragmatics: Syntax & Semantics. Vol. 9. New York: Academic Press, 1978. p. 315-332.

ZUBIZARRETA, M. L. Prosody, Focus, and Word Order. Cambridge MA: MIT Press, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)