As manifestações de junho de 2013: os ‘baderneiros’, o chamado e a condição do professor

Eliane Righi de Andrade, Maria de Fátima Amarante, Carlos A. Zanotti

Resumo


Este artigo focaliza as representações identitárias que emergem de diferentes espaços discursivos (um jornal impresso e postagens do Facebook), as quais se relacionam à mobilização social que ocorreu no Brasil ao longo do último semestre de 2013. Por meio de uma abordagem discursiva, nosso objetivo é articular os efeitos de sentido às condições de produção do discurso, o que signifi ca que língua e história estão aliadas na produção de sentidos. Podemos observar que, na contemporaneidade, a qual é marcada por discursos hegemônicos, tais como o econômico e o da mídia, a identidade pode ser encarada como um processo em movimento e a subjetividade é invadida por uma necessidade de compartilhar coisas e pensamentos, de modo que as pessoas se sintam parte de comunidades imaginárias e, ao mesmo tempo, conectadas ao mundo.


Palavras-chave


Identidade; Redes Sociais; Mídia Impressa

Texto completo:

PDF

Referências


ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos do Estado. Lisboa: Presença, 1978.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CORREIA, J. C. O admirável mundo das notícias: teorias e métodos. Covilhã, UBI, LabCom: Livros LabCom, 2011. (Série Estudos da Comunicação)

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1977.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1995. V. 2.

DERRIDA, J. A Farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1991.

DERRIDA, J. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

DIAS, C. Sujeito, sociedade e tecnologia: a discursividade da rede (de sentidos). São Paulo: Hucitec, 2012.

ENZENSBERGER, H. M. Elementos para uma teoria dos meios de comunicação. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

FOLHA DE S. PAULO. Novo Manual da Redação. Folha de S. Paulo: São Paulo, 1996.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 2001.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 15. ed. São Paulo: Loyola, 2007. (Coleção Leituras Filosófi cas).

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOMES, M. R. Poder no jornalismo: discorrer, disciplinar, controlar. São Paulo: Hacker Editores, Edusp, 2003.

LÉVY, P. O que é virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo: 34, 1998.

LYOTARD, J-F. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1998.

MELO, J. M. de. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1994.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1997.

SILVA, A. Interfaces móveis de comunicação e subjetividade contemporânea, 2004. Tese (Doutorado) – Escola de Comunicação, UFRJ, Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2007.

TOURAINE, A. Iguais e diferentes: poderemos viver juntos? Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

TURKLE, S. Alone together: why we expect more from technology and less from each other. NY: Basci Books, 2011.

TURKLE, S. Connected, but alone? TED. Disponível em: . Acesso em: 08 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)