Estudo da pausa e da incidência de neologismos na evolução da jargonafasia: um estudo de caso

Francisco de Oliveira Meneses

Resumo


A jargonafasia caracteriza-se pela produção de parafasias nos enunciados de sujeitos afásicos considerados fluentes. Este trabalho visa analisar a relação entre a produção de pausas e a ocorrência de palavras e não palavras nos enunciados de um sujeito jargonafásico, buscando avaliar diferenças quantitativas que possam indicar efeitos do acompanhamento terapêutico. Os resultados indicam que: (i) há uma redução no número de pausas silenciosas e aumento de pausas preenchidas nos três momentos da análise; (ii) as pausas têm duração menor na última na fase; (iii) a taxa de ocorrência de palavras/não palavras diferencia estatisticamente as etapas da pesquisa. Este estudo pode contribuir para melhor caracterizar os processos linguístico-cognitivos relacionados à jargonafasia e corroborar análises qualitativas do acompanhamento linguístico-cognitivo com sujeitos afásicos desenvolvidas no CCA.


Palavras-chave


jargonafasia, não palavras, pausas

Texto completo:

PDF

Referências


BERNDT, R. S.; MITCHUM, C. C.; HAENDIGES, A. N.; SANDSON, J. Verb retrieval in aphasia: characterizing single word impairments. Brain and Language, v. 56, p. 68-106, 1997.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat software. Versão 5.12. The Netherlands, Amsterdam, 2002.

BUCKINGHAM, H. W.; KERTESZ, A. A linguistic analysis of fl uent aphasia. Brain and Language, v. 1, p. 43-62, 1974.

BUTTERWORTH, B. Semantic analyses of the phasing of fl uency in spontaneous speech. PhD Thesis, University of London, 1972.

BUTTERWORTH, B. Hesitation and semantic planning in speech. Journal of Psycholinguistic Research, London, v. 4, p. 74-87, 1975.

BUTTERWORTH, B. Hesitation and the production of verbal paraphasias and neologisms in jargon aphasia. Brain and Language, v. 8, p. 133-161, 1979.

BUTTERWORTH, B. Jargon aphasia: Processes and strategies. In: NEWMAN, S.; EPSTEIN, R. Current perspectives in dysphasia. Edinburgh: Churchill/Livingstone, 1985.

BUTTERWORTH, B. Lexical access in speech production. In: MARSLEN-WILSON, W. (Ed.). Lexical representation and process. Cambridge, MA: MIT Press, 1989.

CAPPA, S. F.; MIOZZO, A.; FRUGONI, M. Glossolalic jargon after a right hemispheric stroke in a patient with Wernicke’s aphasia. Aphasiology, v. 8, p. 83-87, 1994.

CHRISTENFELD, N.; CREAGER, B. Anxiety, alcohol, aphasia, and ums. J. Pers. Soc. Psychol.,v. 70, p. 451-460, 1996.

COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: discurso e afasia: análise discursiva de interlocuções com afásicos. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

ELLIS, A. W.; MILLER, D.; SIN, G. Wernicke’s aphasia and normal language processing: a case study in cognitive neuropsychology. Cognition, v. 15, p. 110-145, 1983.

FUGIWARA, R. V. E. Processos de (inter) compreensão nas afasias: um estudo neurolinguístico na perspectiva bakhtiniana. 2013. Tese (Doutorado em Linguística) –Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

GAGNON, D. A.; SCHWARTZ, M. F. Serial position effects in aphasics’ neologisms. Presented at the Academy of Aphasia, Philadelphia, 1997.

HILGERT, J. G. O monitoramento de problemas de compreensão na construção do texto falado. Cadernos de estudos linguísticos (Homenagem a Ingedore Koch), v. 44, p. 223-238, jan./jun. 2003.

JAKOBSON, Roman. Dois aspectos da linguagem e dois tipos de afasia. In: JAKOBSON, Roman: Lingüística & Comunicação. São Paulo: Cultrix, 1972. p. 34-62.

KERTESZ, A. The anatomy of jargon. In: BROWN, J. W. (Ed.). Jargonaphasia. New York: Academic Press, 1981. p. 63-112.

KERTESZ, A.; BENSON, D. Neologistic jargon: a clinicopathological study. Cortex, v. 6, p. 362-396, 1970.

KIRCHER, T. T. J.; BRAMMER, M. J.; LEVELT, W. BARTELS, M.; MCGUIRE, P. K. Pausing for thought: engagement of left temporal cortex during pauses in speech. NeuroImage, v. 21, p. 84-90, 2004.

MORATO, E.; NOVAES-PINTO, R. Aspectos enunciativos das jargonafasias. SEMINÁRIO DO GEL, 14., 1998, Campinas. Anais... n. XXVII. Campinas, 1998. p. 396-400.

NICKELS, L.; HOWARD, D. Phonological errors in aphasic naming: comprehension, monitoring and lexicality. Cortex, v. 31, p. 209-237, 1995.

NOVAES-PINTO, R. Difi culdades de encontrar palavras e produção de parafasias nas afasias e nas demências: inferências para o estudo da organização e do acesso lexical. Manuscrito não-publicado, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

NOVAES-PINTO, R. Desafi os metodológicos da pesquisa em Neurolinguística no início do século XXI. Estudos Linguísticos, v. 40, p. 966-980, 2011.

NOVAES-PINTO, R. O conceito de fl uência nos estudos das afasias. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 54, n. 1, jan./jun. 2012.

OLIVEIRA, M. V. B. Aspectos teórico-metodológicos do fenômeno referido como palavras na ponta da língua. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 42, n; 2, p. 889-902, maio/ago. 2013.

OLIVEIRA, M. V. B.; NOVAES-PINTO, R. C.; A Relação entre fl uência e grau de severidade: nas afasias: (contra) evidências de um estudo de caso, 01/2014, 62o Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo (GEL),Vol. único, p. 1-1, CAMPINAS, SP, Brasil, 2014.

PANZERI, M.; SEMENZA, C.; BUTTERWORTH, B. Compensatory processes in the evolution of severe jargon aphasia. Neuropsychologia, v. 25, p. 919-933, 1987.

ROMANI, C.; CALABRESE, A. Syllabic constraints in the phonological errors of an aphasic patient. Brain and Language, v. 64, p. 83-121, 1998.

SCARPA, E. M. Difi culdades prosódicas em sujeitos cérebro-lesados. Alfa, São Paulo, v. 44, p. 363-383, 2000.

SHATTUCK-HUFNAGEL, S. The role of word structure in segmental serial ordering. Cognition, v. 42, p. 213-259, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)