A sororidade no ciberespaço: laços feministas em militância

Dantielli Assumpção Garcia, Lucília Maria Abrahão e Sousa

Resumo


Este trabalho objetiva, a partir da perspectiva teórica da Análise de Discurso de linha francesa, analisar o zine Reajá, produzido pelo coletivo da Marcha das Vadias de Campinas. Almejamos perceber como um dizer sobre a mulher e sobre suas relações com outras mulheres ganha sentido na sociedade e passa a circular no ciberespaço. Analisando como a noção de “sororidade” significa no zine, refletiremos como os laços feministas são formulados e circulam na sociedade contemporânea e na rede, buscando romper com dizeres já estabilizados na memória da sociedade sobre o que é e não é ser mulher. Além disso, pretendemos refl etir sobre o modo como é materializada discursivamente a cibermilitância, norteando reivindicações, protestos, furando os discursos legitimados como dominantes e produzindo um outro discurso sobre/da mulher e suas relações de sororidade.


Palavras-chave


Marcha das Vadias; mulher; zine; sororidade; militância

Texto completo:

PDF

Referências


AUTHIER-REVUZ, J. Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, n. 19, 1990.

AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Editora da Unicamp, 1998.

BEAUVOIR, S. de (1949). O segundo sexo. Fatos e mitos. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

CESTARI, M. J. As mesmas e as novas mulheres do feminismo brasileiro. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 1471-1484, set./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2014.

GARCIA, D. A.; SOUSA, L. M. A e. Ler o arquivo hoje: a sociedade em rede e suas andanças no ciberespaço. Conexão Letras, Porto Alegre, v. 9, n. 11, p. 83-97, 2014.

HENRY, P. A história não existe? In: ORLANDI, E. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1994.

INDURSKY, F. Unidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória das noções de sujeito em Análise do Discurso. In: MITTMANN, S.; GRIGOLETTO, E.; CAZARIN, E. (Org.). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008. (Col. Ensaios, 22).

MAGALHÃES, H. O que é fanzine. São Paulo: Brasiliense, 1993.

MAGALHÃES, H. A mutação radical dos fanzines. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 26., 2 a 7 set. 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, MG: Intercom– Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2003. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2014.

MITTMANN, S. A apropriação do ciberespaço pelos movimentos sociais. In: ENCONTRO NACIONAL SOBRE HIPERTEXTO, 3., 29 a 30 out. 2009, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, MG, 2009. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2014.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2002.

ORLANDI, E. P. Discurso em análise: sujeito, sentido, ideologia. Campinas: Pontes, 2012.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

PINTO, C. R. J. Feminismo, história e poder. Revista de Sociologia e Política, v. 18, n. 36, p. 15-23, jun. 2010.

PINTO, C. R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

SARTI, C. A. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 264, maio/ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 24 jun.2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)