De gol em gol, com direito a “replay”: o corpo na Copa para uma análise discursiva

Elizete de Souza Bernardes

Resumo


O corpo da mulher brasileira como um convite de boas-vindas. É nos domínios da Análise de discurso de orientação francesa (AD) que a Copa do Mundo 2014, em um dos seus aspectos emergidos, será objeto de reflexão deste texto. O pressuposto de escrita é de que o corpo é um signo que se materializa em diferentes lugares de emergência e de lutas políticas. O questionamento é: quais são os regimes de memória acionados quando da irrupção de um enunciado em determinando momento histórico, sustentando um acontecimento discursivo? Para tanto, trabalharemos especialmente com uma das propriedades do enunciado: o domínio associado (FOUCAULT, 2013). Ademais, como desdobramento da leitura empreendida por J.J. Courtine (2009) da Arqueologia, o conceito de memória discursiva é ampliado: enquanto domínio de memória, memória de atualidade e memória de antecipação. Desejamos, com essas reflexões, pensar o objeto semiológico e discursivo: o corpo.


Palavras-chave


Análise do discurso; Semiologia Histórica; Corpo; Mulher brasileira

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Congresso Nacional. Projeto de Lei que regulamenta a atividade dos profissionais do sexo. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1012829 . Acesso em: 17 jul. 2014.

COURTINE, Jean-Jacques. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

COURTINE, Jean-Jacques.. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: Claraluz, 2009.

COURTINE, Jean-Jacques.. Metamorfose do discurso político: derivas da fala pública. São Carlos: Claraluz, 2006.

COURTINE, Jean-Jacques; HAROCHE, Claudine. História do rosto: exprimir e calar as suas emoções (do século XVI ao início do século XIX). Lisboa: Torema, 1988.

CHATEAUBRIAND, Roberto. Governo volta a atacar o turismo sexual, ameaçando o direito ao trabalho das prostitutas. Disponível em: < http://www.beijodarua.com.br/materia.asp? edicao=28&coluna=6&reportagem=921&num=1 >. Acesso em 15 jul. 2014.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 21. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad. Lígia M. Pondé Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1977.

GUILHAUMOU, Jacques; MALDIDIER, Denise. Efeitos do arquivo. A análise do discurso no lado da História. In: ORLANDI, Eni (Org.) Gestos de leitura: da história no discurso. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1994. (Language, 81, 1986).

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

VEYNE, Paul. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)