Memória e tecnologia: efeitos de sentido no ensino de língua na escola

Maristela Cury Sarian

Resumo


Este trabalho se inscreve na perspectiva da Análise de Discurso e tem por objetivo dar visibilidade à discursividade do Programa Um Computador por Aluno (PROUCA) enquanto uma política pública de inclusão digital na educação básica, a fi m de colocar em evidência o funcionamento da memória metálica na relação com a memória institucional no que diz respeito ao uso das chamadas TICs no ensino de língua portuguesa na escola em tempos de globalização, sobretudo aos efeitos de sentido produzidos pelos processos de institucionalização da tecnologia na escola, com ênfase no modo de como a internet significa sujeitos e sentidos nesse Programa.


Palavras-chave


análise de discurso; inclusão digital; ensino; língua portuguesa

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei n.o 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2o graus, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 29 maio 2012.

BRASIL. Princípios orientadores para o uso pedagógico do laptop na educação escolar. MEC/SEED Um computador por aluno, 2007.

BRASIL. Decreto no 7.243, de 26 de julho 2010. Regulamenta o Programa Um Computador por Aluno – PROUCA e o Regime Especial de Aquisição de Computadores para uso Educacional – RECOMPE. 2010a. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2012.

BRASIL. Lei 12.249/2010. Dispõe sobre o Programa Um Computador por Aluno e dá outras providências. 2010b. Disponível em: . Acesso em: 12 abr . 2011 .

CASTELLANOS PFEIFFER, C. Políticas públicas de ensino. In: ORLANDI, E. P. (Org.). A produção do consenso nas políticas públicas urbanas. Campinas, SP: RG, 2010. p. 85-99.

CASTELLANOS PFEIFFER, C. Sentido para sujeito e línguas nacionais. Língua e Instrumentos Linguísticos, Campinas, n. 7, p. 71-93, 2002.

CASTELLANOS PFEIFFER, C. Escola e divulgação científi ca. In: GUIMARÃES, E. (Org.). Produção e circulação do conhecimento: Estado, mídia, sociedade. Campinas, SP: Pontes, 2001b. p. 41-58. v. 1.

CURY, C. R. J. A educação escolar, a exclusão e seus destinatários. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 48, p. 205-222, 2008.

DIAS, C. O discurso da “inovação” no processo de signifi cação de “mudança” na sociedade da informação. In: ZATTAR, N.; DALLA PRIA, A.; MORALIS, E. G. (Org.). Linguagem, acontecimento, discurso. Campinas, SP: RG, 2011. p. 45-60.

DIAS, C. Telecentros como políticas públicas de inclusão digital: da administração da vida na cidade. In: ORLANDI, E. P. (Org.). A produção do consenso nas políticas públicas urbanas. Campinas, SP: RG, 2010. p. 43-73.

DWYER, T. et al. Desvendando mitos: os computadores e o desempenho no sistema escolar. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 101, p. 1303-1328, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2011.

HANDFAS, A. Década de 1990: a reestruturação produtiva e a educação do trabalhador. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. (Org.). A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no ensino médio técnico. Brasília, DF: Inep, 2006. p. 221-236.

HENRY, P. Os fundamentos teóricos da “análise automática do discurso” de Michel Pêcheux (1969). In: GADET, F.; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 4.ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp. 2010. p. 11-38.

HERBERT, T. (1966). Refl exões sobre a situação teórica das Ciências Sociais e, especialmente, da Psicologia Social. Tradução Mariza Vieira da Silva e Laura A. Perrella Parisi. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Análise de Discurso: Michel Pêcheux. Campinas, SP: Pontes, 2011. p. 21-53.

MARIANI, B. S. C. Discurso e instituição: a imprensa. Rua, Campinas, n. 5, p. 47-61, 1999.

NAVES, M. B. Democracia e dominação de classe burguesa. Crítica Marxista, São Paulo, v. 4, p. 61-68, 1997.

ORLANDI, E. P. Diluição e indistinção de sentidos: uma política da palavra e suas consequências: sujeito/história e indivíduo/sociedade. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; LEANDRO FERREIRA, M. C. (Org.). Memória e história na/da Análise do Discurso. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011c. p. 37-54.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ORLANDI, E. P. Cidade dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2004.

PÊCHEUX, M. Remontemos de Foucault a Spinoza. In: BARONAS, R. L. (Org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. 2.ed. São Carlos, SP: Pedro e João Editores, 2011 [1977]. p. 177-192.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. 4.ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões, deslocamentos. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 19, p. 7-24, 1990.

SILVA, M. V. da. A escolarização da língua nacional. In: ORLANDI, E. P. (Org.). Política lingüística no Brasil. Campinas: Pontes, 2007. p. 141-161.

SILVA, M. V. da. Sujeito, escrita e história: a letra e as letras. In: MARIANI, B. (Org.). A escrita e os escritos: reflexões em análise do discurso e psicanálise. São Carlos, SP: Claraluz, 2006.

p. 133-140.

SILVA, M. V. da. Alfabetização, escrita e colonização. In: ORLANDI, E. P. (Org.). História das ideias linguísticas: constituição do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Pontes/Editora da Unemat: Campinas, SP/Cáceres, MT, 2001. p. 139-153.

SILVA, M. V. da. O dicionário e o processo de identifi cação do sujeito. In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. P. (Org.). Língua cidadania: o português no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996. p. 151-162.

TREIN, E.; CIAVATTA, M. Aprodução capitalista, trabalho e educação: um balanço da discussão nos anos 1980 e 1990. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. (Org.). A formação do cidadão produtivo: a cultura de mercado no ensino médio técnico. Brasília, DF: Inep, 2006. p. 97-116.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)