Peculiaridades do exercício da função autor: uma análise discursiva de “mensagens compartilhadas” no Facebook

Pâmela da Silva Rosin, Luzmara Curcino

Resumo


A popularidade das redes sociais proporcionou, entre outras práticas, o aumento da circulação e compartilhamento de “frases”, sob a forma de mensagens (de amizade, amor, etc.), atribuídas a diversos autores, entre eles autores literários consagrados, cuja propriedade na indicação da autoria tornou-se motivo de discussões na própria rede. Neste artigo, visamos a empreender uma análise discursiva dessas “frases” de modo a descrevermos seu funcionamento a partir da análise de estratégias de escrita empregadas em sua produção e da análise de comentários dos leitores acerca da autoria dessas mensagens. Para tal, mobilizaremos pressupostos teórico-metodológicos da Análise do Discurso, especialmente a partir de considerações de Michel Foucault acerca da “função autor” e princípios da História Cultural concernentes à autoria, com base em textos de Roger Chartier.


Palavras-chave


Autoria; Enunciados Destacados; Redes Sociais; Análise do Discurso; História Cultural da Leitura

Texto completo:

PDF

Referências


BARZOTTO, V. H. Leitura de Revistas Periódicas: forma, texto e discurso – um estudo sobre a revista Realidade (1966-1976). Tese (Doutorado) – IEL/Unicamp, Campinas, 1998.

BARZOTTO, V. H. Limites na leitura: o texto e seu suporte. In: GREGOLIN, M. R.; CRUVINEL, M. F.; KHALIL, M. G. (Org.). Análise do Discurso: entornos do sentido. Araraquara: Laboratório

Editorial/Cultura Acadêmica, 2001. p. 243-248.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador: conversações com Jean Lebrun/Roger Chartier. São Paulo: Imprensa Ofi cial do Estado de São Paulo/ Editora Unesp, 1998.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1999.

CHARTIER, R. O que é um autor? Revisão de uma genealogia. São Carlos: EdUFSCar, 2012.

CURCINO, L. Práticas de leitura contemporâneas: representações discursivas do leitor inscritas na revista VEJA. 337f. Tese (Doutorado) – FCLAR, Unesp, Araraquara, SP, 2006.

CURCINO, L. Velhos novos leitores e suas maneiras de ler em tempos de textos eletrônicos. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, p. 1013-1027, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 22. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

FOUCAULT, M. O que é um autor? Tradução de António Fernando Cascais. 3. ed. Lisboa: Vega,1992.

MAINGUENEAU, D. Aforização, enquadramento interpretativo e confi guração humanista. In: MOMESSO, M. R.; SCHWARTZMANN, M. N.; ABRIATA, V. L. R.; FERREIRA, F. A. (Org). Discurso e linguagens: objetos de análise e perspectivas teóricas. v. 6. Franca, SP: Universidade de Franca, 2011.

MUCHAIL, S. T. Michel Foucault e o dilaceramento do autor. Margem, São Paulo, v. 16, p. 129-135, 2003. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)