O sintoma em suas dimensões singular e social

Paula Chiaretti

Resumo


O sintoma, como arranjo signifi cante, estaria inscrito tanto no campo do sujeito quanto no campo do Outro, sendo sua repetição (sempre não idêntica) um dos índices desse enodamento. É sabido, a partir de Freud, que qualquer sintoma tem uma relação estreita com as condições mediatas e imediatas de sua produção e aparecimento. Por conta disso, ao considerar o sintoma como produção discursiva, os conceitos provenientes do dispositivo analítico da Análise do Discurso proposta por Pêcheux nos permitem “olhar pela janela”, levando em consideração a historicidade nas produções discursivas atuais. Tomar o sintoma pela via da polissemia e possibilidade de recriação radicalmente singular é oferecer ao sujeito, qual seja, um lugar de resistência à sua singularidade.


Palavras-chave


Sintoma; Mal-estar; Acontecimento; Polissemia

Texto completo:

PDF

Referências


ASKOFARÉ, S. O sintoma social. In: GOLDENBERG, R. (Org.). Goza!: capitalismo, globalização e psicanálise. Salvador: Ágalma, 1997. p. 164-189.

CONDE, H. O sintoma em Lacan. São Paulo: Escuta, 2008.

DUFOUR, D.-R. A arte de reduzir cabeças: sobre a nova servidão na sociedade ultraliberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.

FREUD, S. Um Caso de Histeria. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras completas de Sigmund Freud, v. VII. Rio de Janeiro: Imago, 1996a [1901-1905].

FREUD, S. Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras completas de Sigmund Freud. Vol. XII. Rio de Janeiro: Imago, 1996b [1911].

FREUD, S. Além do princípio do prazer. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das Obras completas de Sigmund Freud, vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, 1996c [1920].

FREUD, S. O mal-estar na civilização. São Paulo: Pinguin Classics Companhia das Letras, 2011 [1930].

KEHL, M. R. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

LACAN, J. O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud. Rio Janeiro: Jorge Zahar, 1986 [1953-1954].

LACAN, J. O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997 [1959-1960].

LACAN, J. O seminário, livro 11: os quatro fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998 [1964].

LACAN, J. Os complexos familiares na formação do indivíduo: ensaio de análise de uma função em psicologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008 [1938].

LEBRUN, J.-P. A perversão comum: viver juntos sem o outro. Rio de Janeiro: Campo Matêmico, 2008.

MAIA, Aline Borba; MEDEIROS, Cynthia Pereira; FONTES, Flávio. O conceito de sintoma na psicanálise: uma introdução. Estilos clin. [online], v. 17, n. 1, p. 44-61, 2012. ISSN 1415-7128.

MELMAN, C. O homem sem gravidade: gozar a qualquer preço. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes, 1997 [1983].

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Ed. da Unicamp, 2009 [1975].

SAFATLE, V. Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo, 2008.

VANIER, Alain. O sintoma social. Ágora. Rio de Janeiro, v. 5, n. 32, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 1 de julho de 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982002000200001.

WORLD HEALTH ORGANIZATION, Depression: Fact sheet n° 369, October 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)