A Política da Ressocialização no discurso sobre o adolescente em conflito com a lei

Raquel Ribeiro Moreira

Resumo


O presente trabalho pretende investigar quais sentidos a palavra ressocialização movimenta no campo do jovem que infraciona. Para isso, analisaremos sequências discursivas extraídas de entrevistas com funcionários e adolescentes de um centro de socioeducação do Paraná. Outro ponto que nos chama atenção, ao tratar do termo ressocialização, é o funcionamento do prefixo -re nesta palavra. Inserindo-se no campo teórico da Análise de Discurso francesa, e mobilizando especialmente o conceito de memória, percebemos não ser possível classificar o prefixo -re como uma simples repetição, ainda mais por observarmos que o termo “ressocialização” constitui-se, politicamente, como um eufemismo na determinação da atuação e da responsabilização das instituições de atendimento ao menor de idade.


Palavras-chave


sentido, ressocialização, prefixo -re

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Fernando Gil Coutinho de. Polissemia e produtividade nas construções lexicais: um estudo do prefi xo re- no português contemporâneo.2006. Dissertação – (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica, PUC, Rio de Janeiro, RJ.

BASÍLIO, M. et ali. Prefi xos: a controvérsia derivação/composição. Cadernos de Linguística e Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, v. 1, p. 3-13, 1989.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. 6. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução de Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MARIANI, Bethania. Os primórdios da imprensa no Brasil (ou: de como o discurso jornalístico constrói memória). In: ORLANDI, E. P. (Org.). Discurso fundador: a formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes, 1993. p. 31-43.

MOREIRA, Raquel Ribeiro. “Meninos do Cense” – as relações de estigmatização, violência e disciplinarização de adolescentes em confl ito com a lei internados. 2011. 323 f. Tese (Doutorado em Teorias do Texto e do Discurso) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

OLIVEIRA, S. M. Prefi xação: um caso de derivação ou de composição? Eletras, Universidade Tuiuti do Paraná, v. 8, p. 15-33, 2004.

PÊCHEUX, Michel. Análise Automática do Discurso (AAD-69). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.) Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, Michel.. Papel da memória. In: ACHARD, P. et al. (Org.) Papel da memória. Tradução e introdução de José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)