O uso de vírgulas: evidências da heterogeneidade da escrita

Ana Carolina Araújo-Chiuchi

Resumo


Neste artigo, temos o objetivo de analisar a flutuação do emprego da vírgula, ou seja, a oscilação entre usos convencionais e não-convencionais desse sinal em um corpus constituído de 152 textos produzidos por alunos de quinta série (sexto ano, na atual nomenclatura)1 do Ensino Fundamental de uma escola estadual do interior paulista. Argumentamos que as motivações dos empregos não-convencionais identificados quanto à ausência/presença da vírgula evidenciam o que Corrêa (2004) chamou de modo heterogêneo de constituição da escrita. Desse modo, por meio do uso de vírgulas, investigamos as possíveis relações, feitas pelos escreventes, entre enunciados orais/falados e enunciados letrados/escritos. De um modo geral, os resultados mostram que essa relação tanto causa o excesso (emprego não-convencional pela presença de vírgula) quanto a falta (emprego não-convencional pela ausência de vírgula) dos sinais de pontuação.


Palavras-chave


pontuação; aquisição da escrita; oralidade; letramento; ensino fundamental.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)