Aplicativos de notícias e efeitos de sentidos: diferenças de destacamento

Érika de Moraes

Resumo


A comunicação digital ampliou a disponibilidade de notícias, porém, é cada vez mais comum que se leiam apenas os títulos, que são um aspecto destacado do assunto abordado. Dessa forma, a crescente influência dos aplicativos de notícias é decisiva para a construção de efeitos de sentidos inusitados a respeito dos fatos noticiados. Este trabalho analisa esses efeitos em notícias veiculadas em dois aplicativos de notícias, um nacional (o portal UOL) e um internacional (Le Monde), com respaldo no quadro teórico-metodológico da Análise do Discurso francesa (AD), priorizando noções como as de destacamento, destacabilidade e aforização (MAINGUENEAU, 2010; 2014).


Palavras-chave


discurso; destacabilidade; aplicativos de notícias

Texto completo:

PDF

Referências


CORACINI, M. J. A celebração do outro – arquivo, memória e identidade. 2. ed. Campinas: Mercado de Letras, 2013.

FOUCAULT, M. Sobre a arqueologia das ciências; resposta ao Círculo Epistemológico. In: FOUCAULT E OUTROS. Estruturalismo e teoria da linguagem. Petrópolis: Vozes, 1971 [1968]. p. 9-55.

KRIEG-PLANQUE, A. A noção de “fórmula” em análise do discurso: quadro teórico e metodológico. Tradução de Luciana Salgado e Sírio Possenti. São Paulo: Parábola, 2010.

MAINGUENEAU, D. Novas Tendências em Análise do Discurso. 3. ed. Campinas: Pontes/Editora da UNICAMP, 1997 [1987].

______. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Doze conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Editora Parábola, 2010.

______. Frases sem Texto. São Paulo: Parábola, 2014.

PAVEAU, M.-A. Linguagem e moral – uma ética das virtudes discursivas. Campinas: Editora Unicamp, 2015.

MORAES, É. de. O jornalismo on-line sob o viés discursivo – o novo e o já dado. In: BRUNELLI, A. F. et al. (Org.). Comunicação, Cultura e Linguagem. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014. p. 41-58.

______. De “Je suis Charlie” a “Je suis (...)” – a circulação de uma fórmula e de uma noção de solidariedade coletiva. Revista de Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 45 (3),

p. 791-801, 2016.

PÊCHEUX, M. Análise automática do Discurso. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, 1990 [1969].

SALGADO, L. A leitura como um bem: slogans e consenso. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. Fórmulas discursivas. São Paulo: Editora Contexto, 2011.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i3.1511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)