Bivocalidade científico-poética em uma seleção de poemas de Arnaldo Antunes

Sandra Mina Takakura

Resumo


Arnaldo Antunes é conhecido por combinar as criações lexicais com recursos gráficos e sonoros, explorando uma linguagem verbi-voco-visual em termos de James Joyce. A poesia concreta, gênero discursivo escolhido pelo autor, transcende os limites das forças criadoras descritas por Bakhtin como a centrípeta, encontrada no poema, e a centrífuga, observada nos campos discursivos e no heterodiscurso do romance, o que permite problematizar a linguagem criativa do poeta que acessa discursos do campo científico por meio de uma arte discursivamente responsiva. Esse artigo tem como objetivos estudar a expressividade em uma seleção de poemas, mapeando os neologismos semânticos sintagmáticos resultantes de uma nova motivação e uso em novos contextos, aliada à noção de signo ideológico e escrutinar discursos relativos aos campos ideológicos, levando em conta a linguagem verbovocovisual.


Palavras-chave


heterodiscurso; Arnaldo Antunes; Bakhtin; Volochínov; Guilbert

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, A. 2 ou + corpos no mesmo espaço. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1997.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

______. Teoria do romance I: A estilística. Rio de Janeiro: Editora 34, 2015 [1975].

BARBOSA, M. A. Léxico, produção e criatividade. São Paulo: Global editora, 1981.

CAMPOS, H. de. Ruptura dos Gêneros na Literatura Latino-Americana. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1977.

CAMPOS, A. de; PIGNATARI, D.; CAMPOS, H. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 1991.

CARDOSO, E. A. A criação neológica estilística. Matraga, Rio de Janeiro, v. 16, p. 105-118, 2004.

CARDOSO, E. A.; CONDÉ, V. G.; GIL, B. D. (Org.). Modelos de análise linguística. São Paulo: Contexto, 2009.

GRILLO, S. V. de C. Esfera e Campo. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2006. p. 133-160.

______. Fundamentos bakhtinianos para a análise de enunciados verbo-visuais. Filologia linguística portuguesa, n. 14(2), p. 235-246, 2012.

GUILBERT, L. Théorie du néologisme: Communication de M. Louis Guilberï (Paris-Nanterre) au XXIVe Congrès de l'Association, le 24 juillet 1972.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; FRANCO, F. M. de M. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

IGNEZ, A. F.; CARDOSO, E. de A. Escolhas lexicais: estilo e expressividade. In: MICHELETTI, G. Estudos de discurso e estilo. São Paulo: Terracota, 2012. p. 17-38.

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários: Introdução crítica a uma poética sociológica. São Paulo: Ed. Contexto, 2010.

PIGNATARI, D. O que é comunicação poética. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

RAJEWSKY, I. O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: Uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, T. F. N. Intermidialidade e Estudos interartes: Desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012. p. 15-45.

VOLOCHÍNOV, V. N.; BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2012.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1538

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)