O texto literário como corpus para análise lexical: "O Púcaro Búlgaro", de Campos de Carvalho

Caio Santilli Oranges

Resumo


O universo de discurso literário engloba um sem-número de outros universos de discurso, transformando-o em um rico e frutífero ambiente para análises linguísticas, sobretudo no nível lexical. Este trabalho, portanto, de caráter modelar, tem como objetivo demonstrar de que maneiras o texto literário se apresenta como corpus para uma análise linguística. Por trabalhar com a arte, além da comunicação, o autor literário deve sempre objetivar a expressividade no uso da língua. É o que tentaremos demonstrar, utilizando como exemplo o romance O Púcaro Búlgaro, de Campos de Carvalho, uma narrativa composta, essencialmente, pela denúncia, renúncia e afastamento das questões de ordem lógica do mundo histórico e social. Para isso, o presente artigo retoma conceitos gerais a respeito da lexicologia e lexicografia, resume questões gerais a respeito do texto literário, e revisa alguns dos principais estudos recentes que trabalharam essa interface. Ao final, são apresentados modelos de análise lexical com a obra literária supracitada.


Palavras-chave


texto literário; léxico; O Púcaro Búlgaro

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. O estudo dos compostos e fraseologismos criados por João Cabral de Melo Neto: proposta de estudo da coindexicação semântica. 2013. 273 f. Tese (Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2013.

ÁVILA, M. V. D.; MARTINS, E. S. O léxico indianista em José de Alencar. Vertentes, v. 1, p. 233-245, 2008.

BARBOSA, M. A. Da neologia à neologia na literatura. In: OLIVEIRA, A. M. P. de; ISQUERDO, A. N. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. 2. ed. Campo Grande: Editora da UFMS, 2001. p. 33-51.

BIDERMAN, M. T. C. Conceito linguístico de palavra. In: BASÍLIO, M. (Org.). A delimitação de unidades lexicais. Rio de Janeiro: Grypho, 1999. p. 81-97.

______. Teoria linguística: linguística quantitativa e computacional. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1978.

CALDAS AULETE, F. J. Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa. 5. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1964.

CARVALHO, C. de. O Púcaro Búlgaro. In: CARVALHO, C. de. Obra Reunida. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002. p. 307-382.

DUBOIS, J. et al. Dicionário de Linguística. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2014.

FRANCO, P. C. B. O léxico da “Belle Époque” na obra de João do Rio. 2008. 199 f. Tese (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2008.

MARTINS, E. S. A neologia na literatura: a criação milloriana. In: ISQUERDO, A. N.; KRIEGER, M. da. G. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. v. 2. Campo Grande: Editora da UFMS, 2004. p. 53-63.

______. O neologismo cruzesousiano e o simbolismo. In: ISQUERDO, A. N.; ALVES, I. M. (Org.). As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. v. 3. Campo Grande: Editora da UFMS; São Paulo: Humanitas, 2007. p. 65-75.

MARTINS, N. S. O léxico de João Guimarães Rosa. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

PROENÇA FILHO, D. A linguagem literária. 8. ed. São Paulo: Ática, 2007.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i1.1568

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)