Enquadres interativos e gestão do tópico discursivo em uma comunidade de práticas de afásicos e não afásicos.

Caio Mira

Resumo


As práticas conversacionais constituem um lócus privilegiado para análise dos fenômenos textuais e semânticos envolvidos na compreensão das relações entre linguagem e organização social em grupo. Nesse sentido, torna-se necessária a mobilização de categorias analíticas que abarquem a conversação em suas dimensões textuais e interativas. No âmbito do presente trabalho, as noções de tópico discursivo e de enquadre interativo serão utilizadas para a análise de situações conversacionais de um grupo de afásicos e não afásicos. O nosso objetivo é analisar a relação entre o enquadre interativo e o tópico discursivo em uma interação de um grupo de convivência de afásicos e não afásicos segundo as propriedades do conceito de comunidade de práticas. Pretendemos demonstrar como a gestão tópica é suscetível às configurações do enquadre em um contexto marcado pela especificidade de ser um espaço de convivência e de situações de uso da linguagem.


Palavras-chave


afasia; comunidade de prática; interação; tópico

Texto completo:

PDF

Referências


CLARK, H. Using Language. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

ECKERT, P.; MC-CONNELL-GINET, S. Think practically and look locally: Language and gender as community-based practice. In: Annual review of Anthropology, s/l., s/ed., v. 27, p. 461-490, 1992.

ERICKSON, F.; SHULTZ. E. O “quando” em um contexto: questões e métodos na análise da competência social. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. Sociolinguística Interacional, 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002. p. 125-142. (Originalmente publicado em Ethnography and Language, 1981).

GALEMBECK, P. O turno conversacional. In: PRETI, D. (Org.). Análise de textos orais. 3. ed. São Paulo: Humanitas, 1997. p. 88-94.

HANKS, W. O que é contexto? In: BENTES, A. C.; REZENDE, R. C.; MACHADO, M. A. R. (Org.). Língua como prática social: das relações entre língua cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008. p. 169-201.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1981 [1954].

JUBRAN, C. C. O tópico discursivo. In: JUBRAN, C. C. A.; KOCH, I. G. V. (Org.). Gramática do português falado culto no Brasil: a construção do texto falado. v. 1. Campinas: Editora da UNICAMP, 2006. p. 89-132.

KOCH, I. G. V.; PENNA, M. A. O. Construção e Reconstrução de objetos-de-discurso: manutenção tópica e progressão textual. In: Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 48, n. 1, p. 23-31, jan./jun. 2006.

LURIA, A. R. Fundamentos de Neuropsicologia. São Paulo: EDUSP, 1981.

MARCUSCHI, L. A. Análise da Conversação. São Paulo: Ática, 1998.

MIRA, C. C. C. R. Afasia e interação: uma análise da dinâmica de turnos e da gestão do tópico nas práticas conversacionais de sujeitos afásicos e não-afásicos. 2012. 166 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

MORATO, E. M. Neurolinguística. In: MUSSALIM. F.; BENTES, A. C. (Org.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. v. 2. São Paulo: Cortez, 2001. p. 143-170.

MORATO, E. M. et al. Sobre as afasias e os afásicos. Subsídios teóricos e práticos elaborados pelo Centro de Convivência de Afásicos. Campinas: Editora da UNICAMP, 2002.

TANNEN. D.; WALLAT. C. Enquadres interativos e esquemas de conhecimento em interação: exemplos de um exame/consulta médica. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. Sociolinguística Interacional. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2002. p. 153-174. (Originalmente publicado em Social Psychology Quarterly, nº 50, 1987).

TOMASELLO, M. Origins of human communication. Cambridge: MIT Press, 2003.

VION, R. La communication verbale: analyse des interactions. Paris: Hachette, 1992.

VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WENGER, E. Communities of practice. Learning, meaning and identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i2.1590

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)