A palavra viva de Mia Couto

Everton Fernando Micheletti

Resumo


Este artigo propõe analisar algumas narrativas do escritor moçambicano Mia Couto, especialmente o romance Terra sonâmbula, com ênfase no processo entre as tradições orais e a escrita literária. Couto traz alguns aspectos das tradições orais africanas para suas obras, tanto nos temas como na estrutura textual, resultando em uma transferência de valor de uma para a outra. A principal referência é o texto "A tradição viva" de Hampaté Bâ, que apresenta o valor e a força da palavra para vários povos africanos. As outras referências consistem em autores dos estudos da linguagem, do pós-colonialismo e das literaturas africanas em português.


Palavras-chave


Mia Couto; literatura moçambicana; tradição viva; tradições orais; linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, G. A Água e os Sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

CANDIDO, A. Literatura e sociedade: estudos de teoria e história literária. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

CAVACAS, F. Mia Couto: Brincriação Vocabular. Lisboa: Mar Além, 1999.

______. Mia Couto: palavra oral de sabor quotidiano/palavra escrita de saber literário. In: CHAVES, R.; MACÊDO, T. C. (Org.). Marcas da diferença: as literaturas africanas de língua portuguesa. São Paulo: Alameda, 2006, p. 57-73.

CHAVES, R. A Formação do Romance Angolano: Entre Intenções e Gestos. São Paulo: Via Atlântica/USP, 1999.

CHKLOVSKI, V. A arte como procedimento. In: TOLEDO, D. de O. (Org.). Teoria da Literatura: formalistas russos. 3. ed. Porto Alegre: Globo, 1976. p. 39-56.

COUTO, M. E se Obama fosse africano? e outras interinvenções. Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. Venenos de Deus, Remédios do Diabo: as incuráveis vidas de Vila Cacimba. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

______. Terra sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

______. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

DURAND, G. As Estruturas Antropológicas do Imaginário: introdução à arquetipologia geral. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ELIADE, M. Tratado de História das Religiões. 4. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FONSECA, M. N. S. Velho e Velhice nas Literaturas Africanas de Língua Portuguesa Contemporâneas. In: BARBOSA, M. J. S. (Org.). Passo e compasso: nos ritmos do envelhecer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003, p. 63-82.

FONSECA, M. N. S.; CURY, M. Z. F. Mia Couto: espaços ficcionais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GARUBA, H. Explorações no realismo animista: notas sobre a leitura e a escrita da literatura, cultura e sociedade africana. In: Nonada Letras em Revista, Porto Alegre,

a. 15, n. 192012, p. 235-256.

GILROY, P. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. 2. ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Editora 34/Universidade Candido Mendes/Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2012.

HALL, S. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG/ UNESCO, 2003.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (Ed.). História Geral da África: I – Metodologia e Pré-História da África. 2. ed. Brasília: UNESCO, 2010. p. 167-212.

LEITE, A. M. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2012.

LEITE, F. Valores civilizatórios em sociedades negro-africanas. In: África: Revista do Centro de Estudos Africanos, São Paulo: USP, n. 18-19 (1), p. 103-118, 1995-1996.

LOTMAN, I. A Estrutura do Texto Artístico. Lisboa: Estampa, 1978.

MACHADO, I. A questão espaço-temporal em Bakhtin: cronotopia e exotopia. In: PAULA, L. de; STAFUZZA, G. (Org.). Círculo de Bakhtin: teoria inclassificável. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 203-234.

MORAES, A. M. R. de. O inconsciente teórico: investigando estratégias interpretativas de Terra Sonâmbula, de Mia Couto. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2009.

OBIECHINA, E. Narrative Proverbs in the African Novel. In: Oral Tradition, Columbia: Center for Studies in Oral Tradition, University of Missouri, v. 7, n. 2, p. 197-230, oct. 1992.

PADILHA, L. C. Entre Voz e Letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. Niterói: Ed. UFF, 1995.

RICOEUR, P. A metáfora viva. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2005.




DOI: https://doi.org/10.21165/el.v46i3.1630

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Estudos Linguísticos (São Paulo. 1978)